Ir bem em provas e concursos depende, antes de mais nada, de esforço próprio. Dito isso, há sempre maneiras de melhorar seu desempenho realizando pequenas atitudes.

Confira 11 dicas que a ciência descobriu que podem te ajudar a ter desempenho ou notas melhores:

11. Beber água

dicas da ciência para ir melhor em provas 11
Um grupo de pesquisadores que analisou 447 estudantes universitários de diferentes anos descobriu que os que levavam água para beber nas provas se saíam melhor. A hidratação pode ter algo a ver com esse resultado.

“O simples ato de levar água para as provas está ligado a notas maiores. Há uma série de razões psicológicas e fisiológicas que podem explicar esse benefício”, afirma Chris Pawson, um dos cientistas envolvidos no estudo. “Entre elas, está o efeito físico nas funções mentais. Há também a possibilidade do consumo de água aliviar a ansiedade, que é uma das principais inimigas das boas notas”.

10. Escrever em um papel suas qualidades e valores

Woman writing a diary or journal at home
Essa dica é especial para mulheres. Cientistas afirmam que o fato delas ainda ficarem atrás dos homens nos campos das ciências exatas, tecnologia, engenharia e matemática pode ser em parte um problema psicológico. Segundo eles, o estereótipo de que os homens são melhores do que as mulheres em matemática e ciência pode exercer pressão sobre as meninas que se preocupam se o estereótipo aplica-se a elas.

Assim, a pesquisa mostrou que as mulheres em idade universitária que afirmaram a sua identidade através de um exercício de redação foram muito melhores do que as outras em uma prova de física. A redação – na qual elas escreveram sobre os seus valores pessoais mais importantes, como amigos e familiares – é um exercício que pode as proteger contra essa ameaça psicológica, de acordo com o estudo.

A mesma melhora do desempenho não foi vista entre homens, no entanto.

9. Não fazer tanta lição de casa

dicas da ciência para ir melhor em provas 9
Essa dica é especial para as crianças. Segundo um estudo australiano, muita lição de casa, ao contrário do senso comum, não as ajuda a ir melhor na escola. Na verdade, pode diminuir suas notas.

Eles analisaram os resultados de vários estudos recentes que investigaram a relação entre o tempo gasto em lições de casa e o desempenho acadêmico dos alunos. De acordo com Richard Walker, psicólogo educacional da Universidade de Sydney, os dados mostram que, em países onde mais tempo é gasto em lições de casa, os alunos apresentam resultados inferiores em um teste padronizado chamado de Programa de Avaliação Internacional de Estudantes, ou PISA, na sigla em inglês.

A conclusão dos pesquisadores é que uma ou duas horas de lição de casa por semana são suficientes e não costumam afetar os resultados dos testes nas escolas.

Por fim, lições de casa só reforçam o desempenho acadêmico dos alunos durante os três últimos anos de escola primária. Para a maioria dos estudantes de ensino médio, pouco benefício é visto.

De acordo com os cientistas, a mesma conclusão é válida em todo o mundo.

8. Aprender de forma confusa

dicas da ciência para ir melhor em provas 8
Segundo o psicólogo e cientista da computação Sidney D’Mello, da Universidade de Notre Dame (EUA), intencionalmente confundir os alunos enquanto eles aprendem temas difíceis pode fazer com que eles absorvam melhor o conteúdo e o apliquem melhor em novos problemas.

Em uma série de experimentos, os participantes acompanhavam a discussão de dois personagens sobre pesquisas em que cometeram erros críticos. Para confundir os “alunos”, em determinado ponto os personagens começavam a discordar e expressar ideias contraditórias e informações falsas. Depois, os participantes tinham de dizer qual das duas opiniões eles achavam que tinha mais mérito científico e, em seguida, resolver testes sobre o tema estudado.

Curiosamente, aqueles que ficaram mais confusos se saíram melhor nas provas e, ainda por cima, conseguiram identificar erros mais facilmente nas aulas seguintes.

“A confusão, se for bem regulada, pode ser boa para o aprendizado porque leva o aluno a processar as informações de forma mais profunda para resolvê-la”, explica D’Mello.

7. Mascar chiclete

dicas da ciência para ir melhor em provas 7
Segundo um estudo japonês publicado na revista Brain and Cognition, a goma de mascar pode fazer muito bem para o cérebro. Mascar chiclete pode impulsionar o pensamento e o estado de alerta – o tempo de reação dos mastigadores, de acordo com os pesquisadores, é até 10% mais rápido do que de não mastigadores.

Uma teoria para explicar este resultado é que mascar aumenta a excitação e leva a melhorias temporárias no fluxo de sangue para o cérebro.

Outro estudo do psicólogo Serge Onyper também já havia sugerido que estudantes que mascam chiclete durante cinco minutos antes de fazer um teste têm notas melhores. Onyper disse que o impulso no desempenho acadêmico era provavelmente devido à “excitação induzida pela mastigação”, que durou, no entanto, apenas cerca de 20 minutos.

6. Entender melhor ciência

dicas da ciência para ir melhor em provas 6
Estudantes da Universidade de Medicina e Ciência Charles R. Drew (EUA) foram convidados a dar aula de ciência para alunos da quarta série em Los Angeles. O curto período (10 aulas de uma hora) foi suficiente para que as crianças tivessem melhoras significativas em suas notas de matemática e inglês, além de mostrar um interesse maior em leitura.

As crianças nem sequer foram os únicos que se beneficiaram: os estudantes da Drew aprimoraram sua habilidade de descrever temas complexos seguindo a premissa de que, se você consegue ensiná-los a um aluno de quarta série, então você consegue ensinar a qualquer pessoa.

Por que a ciência teve um papel tão importante em diferentes aspectos na vida de ambos crianças e adultos?

Os pesquisadores do estudo concluíram que, além de efetivas por si só, as aulas de ciência podem servir como “uma fagulha para acender em uma criança o desejo de aprender em todas as áreas ao longo da vida”.

5. Pagar melhor professores

Teacher and Student In A Classroom At School
Esse item muitas vezes não depende do aluno – a não ser que ele esteja pagando um professor particular –, mas existem evidências de que escolas que dão um bônus aos seus docentes conforme o desempenho de seus alunos produzem resultados melhores.

A pesquisa, realizada em uma escola de Chicago (EUA), mostrou que os professores cujos alunos tiveram as melhores notas foram os que haviam ganho esse bônus antes das aulas começarem – e que poderiam perdê-lo (ou devolver parte dele) se não cumprissem certas metas.

Apesar de parecer cruel, isso motivou os professores a dar seu melhor e os alunos tiveram melhor desempenho ao longo de todo o ano. Vale lembrar que os estudantes foram avaliados com testes padronizados – não somente levando-se em conta as notas que os professores deram para eles – para que a ponderação fosse mais justa.

4. Jogar videogame

dicas da ciência para ir melhor em provas 4
Outra dica especial para os pequenos. Um estudo realizado por uma equipe de pesquisadores de Buenos Aires concluiu que expor as crianças a jogos de computador especializados podem levar a melhores notas na escola.

Os pesquisadores analisaram 111 alunos da primeira série na Argentina. Eles eram no geral estudantes de baixa renda, muitos dos quais tinham dificuldades de comparecimento à escola devido a problemas em casa.

Cada um foi retirado das atividades escolares regulares três vezes por semana e levado a uma área separada onde metade jogou um game especialmente projetado para melhorar a memória e planejamento por 15 minutos, por um período de 10 semanas. A outra metade jogou jogos de videogames comuns.

As crianças foram monitoradas para ver se o jogo teve qualquer impacto sobre suas notas. Trabalho e testes em sala de aula permaneceram inalterados e os professores não foram informados da natureza do estudo até que ele tivesse acabado.

Ao analisar os dados, os pesquisadores descobriram que as crianças que jogaram o jogo especial, e que antes do estudo tinham as notas mais baixas devido principalmente à presença infrequente, alcançaram pontuações mais altas em seus trabalhos escolares e inclusive chegaram ao mesmo nível (mesmas notas em matemática e português) que as crianças que frequentavam regularmente a escola.

3. Meditar

dicas da ciência para ir melhor em provas 3
Meditar pode levar a melhores notas, de acordo com um estudo experimental da Universidade George Mason e da Universidade de Illinois (ambas nos EUA).

Três experimentos em sala de aula em uma Universidade da Califórnia foram feitos para ver se a meditação podia ajudar os alunos a se concentrar melhor e reter informações. Em um deles, usando uma seleção aleatória de estudantes, os que meditaram antes de uma palestra pontuaram melhor em um quiz que se seguiu sobre ela do que os alunos que não meditaram.

Curiosamente, os pesquisadores também mostraram que o efeito da meditação era mais forte nas classes com mais calouros, mostrando que a meditação pode ter um efeito maior sobre os alunos iniciantes.

A meditação pode ser útil para a clareza mental, foco e autodisciplina, de forma que pode ajudar em uma variedade de configurações e objetivos.

2. Ir à igreja

Child Praying
Jennifer Glanville, socióloga da Universidade de Iowa (EUA), afirmou que, se você quiser aumentar a média de notas de seu filho adolescente, deve levá-lo à igreja – ou encontrar alguma atividade social semelhante para envolvê-lo.

Ela e seus colegas pesquisadores descobriram que a frequência à igreja tem um efeito sobre as notas de adolescentes semelhante ao efeito de seus pais terem um diploma universitário. Estudantes que iam à igreja semanalmente também tinham menores taxas de evasão e se sentiam mais “integrados” às suas escolas.

O estudo não sugere que Deus está por trás das notas dos alunos. Em vez disso, identifica várias razões para eles irem melhor na escola, como: terem contato regular com adultos de várias gerações que servem como modelos; seus pais serem mais propensos a se comunicar com os pais de seus amigos; desenvolverem amizades com colegas que têm normas e valores semelhantes; serem mais propensos a participar de atividades extracurriculares.

1. Fazer exercício físico

Energetic school children playing football, outdoors
O campeão na hora de ajudar a melhorar o desempenho escolar e as notas é o exercício físico. Diversos estudos já concluíram que fazer atividades pode, de fato, levar a um melhor resultado acadêmico.

Por exemplo, um estudo espanhol descobriu que as garotas, mas não os meninos, que vão a pé ou de bicicleta para a escola tem um desempenho melhor em testes de habilidades verbais e matemáticas. Quanto mais longo o trajeto, maior a pontuação das meninas nos testes, independentemente do quanto elas se exercitavam fora da escola. Ainda assim, não está claro se o trajeto em si importa, ou se apenas se exercitar em geral ou algum outro fator está em jogo.

Por outro lado, uma pesquisa da Universidade de Illinois (EUA) concluiu que crianças fisicamente aptas absorvem e retém novas informações de forma mais eficaz do que crianças que estão fora de forma.

As crianças mais fisicamente aptas se saíram melhor que as outras especialmente em tarefas de memorização complexas. Isso sugere que altos níveis de aptidão física têm o seu maior impacto nas situações mais difíceis que as crianças enfrentam intelectualmente.

Outra pesquisa da mesma universidade dividiu as crianças em dois grupos, e apenas um foi estimulado a fazer exercícios físicos (como correr, caminhar ou jogar bola) antes de fazer uma avaliação escrita. Ao comprar os resultados, os cientistas verificaram que as crianças que haviam feito exercícios antes tiveram resultados melhores.

Por fim, um estudo da Universidade Estadual de Michigan (EUA) descobriu que a atividade física vigorosa melhora as notas das crianças também.

Enquanto as que faziam aulas de educação física regular não foram melhor do que crianças sedentárias nas provas, aquelas que andavam de skate ou jogavam futebol pelo menos três vezes por semana tinham notas melhores em matemática, ciências, Inglês e estudos sociais.

Ou seja: não custa incluir atividade física no seu dia a dia para melhorar sua cognição e aprendizado. Na “pior” das hipóteses, você “só” vai ficar mais saudável. [LiveScience 1 e 2, MedicalXpres 1 e 2] Com http://hypescience.com/

 

Deixe uma resposta