Alterações na escrituração contábil fiscal (ECF) exigem maior atenção do contribuinte

Prazo de entrega termina no último dia útil deste mês de julho

A Escrituração Contábil Fiscal (ECF) substituiu a DIPJ em relação aos fatos geradores de 2014 e, neste ano, deverá ser entregue pelas empresas até o dia 31 de julho no ambiente do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED).

Todas as pessoas jurídicas, inclusive imunes e isentas, tributadas pelo lucro real, presumido ou arbitrado, devem ficar atentas a este prazo, com exceção das PESSOAS JURÍDICAS OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL, dos ÓRGÃOS PÚBLICOS, das AUTARQUIAS E DAS FUNDAÇÕES PÚBLICAS, das PESSOAS JURÍDICAS INATIVAS de que trata a IN/RFB 1.306/2012 e das PESSOAS JURÍDICAS IMUNES E ISENTAS que, em relação aos fatos ocorridos no ano-calendário, não tenham sido obrigadas à apresentação da Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita (EFD-Contribuições), nos termos da IN/RFB 1.252/2012.

Importante ressaltar que caso a pessoa jurídica tenha Sociedades em Conta de Participação (SCP), cada SCP deverá preencher e transmitir sua própria ECF, utilizando o CNPJ da pessoa jurídica que é sócia ostensiva e o CNPJ/Código de cada SCP.

Para a consultora tributária da Moore Stephens, Mariana Cassab Trinca, uma das inovações da ECF refere-se à utilização dos saldos e contas da ECD para seu preenchimento inicial. Além disso, a partir do ano-calendário 2015, a ECF também recuperará os saldos finais da ECF do ano-calendário anterior.
 

 
Segundo ela, em comparação com a DIPJ, as informações disponibilizadas na ECF passaram a ser muito mais analíticas, tendo-se em vista o preenchimento e controle, por meio de validações, das
partes A e B do Livro Eletrônico de Apuração do Lucro Real (e-Lalur) e do Livro Eletrônico de Apuração da Base de Cálculo da CSLL (e-Lacs). Todos os saldos informados nesses livros também serão
controlados e, no caso da parte B, haverá o abatimento de saldos de um ano para outro.

Ponto importante a ser analisado neste ano refere-se à abertura de subcontas na contabilidade, disciplinada pela IN/RFB 1.515/2014. A Lei nº 12.973/2014, que instituiu a ECF e trouxe tratamento tributário para o padrão contábil internacional, também impôs controles fiscais por meio da abertura de subcontas. As empresas que não optaram pela aplicação da Lei 12.973/2014 para o ano-calendário 2014 estão sujeitas aos seus efeitos desde 1º/1/2015.

A Moore Stephens oferece a seus clientes uma REVISÃO DETALHADA DO PREENCHIMENTO DA ECF, possibilitando maior segurança e confiabilidade nas informações transmitidas ao Fisco, com a finalidade principal de evitar eventuais passivos fiscais.

SOBRE A MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES:

É uma das maiores redes de AUDITORIA, CONSULTORIA e OUTSOURCING CONTÁBIL E FISCAL do mundo, presente em mais de 100 países e formada por mais de 650 escritórios e 27 mil profissionais. É a número 10 no ranking mundial da atividade e a número 1 em relacionamento colaborativo e pró-ativo, com faturamento anual de mais de US$ 2,7 bilhões.

PARA MAIS INFORMAÇÕES: www.msbrasil.com.br