COMO USAR O FGTS PARA EMPRÉSTIMO CONSIGNADO COMO GARANTIA, VEJA AS REGRAS

De acordo com a nova medida, qualquer trabalhador poderá se beneficiar, veja como usar o saldo do FGTS para empréstimo consignado.

De acordo com a nova regra, qualquer beneficiário poderá se beneficiar, saiba como usar o saldo do FGTS  para empréstimo consignado, como garantia. 

O uso do FGTS como forma de garantir  operações de crédito consignado foi aprovado pelo Senado em julho do ano passado, veja como usar o saldo do FGTS para empréstimo consignado.

A nova medida, prevê que trabalhadores poderão usar até 10% do saldo de suas contas do fundo de garantia.

A medida também prevê, o uso como garantia para as operações, a totalidade do valor da multa de 40%, aplicada em casos de demissão sem justa causa

Neste caso, do empréstimo consignado usar a multa em garantia, a Caixa retem 100% do saldo devido a favor do banco contratante, até o limite de 10% do depositado no FGTS.

Não há retenção no uso do saldo nos demais casos previstos para o saque do FGTS: compra da casa própria ou tratamentos de saúde especificados em lei.

Há ainda, prioridades na liberação desse novo benefício para algumas pessoas:

Famílias com baixa renda, idosos, famílias possuidoras de imóveis avaliados abaixo do limite, cidadãos deficientes, e também mulheres na posição de chefes de família.

Regras e como usar o saldo do FGTS para empréstimo consignado.

Qual o prazo de pagamento para o empréstimo consignado com FGTS?

O empréstimo poderá ser parcelado e pago em até 48 meses ou 4 anos.

Veja como Consultar seu saldo aqui!

Qual a taxa de juros para o empréstimo consignado usando o FGTS

A taxa máxima de juros deve ficar em 3,5% ao mês, ou seja, até 50% menor do que as taxas de operações de crédito praticadas no mercado.

Como conseguir um empréstimo consignado com FGTS como garantia?

Para se candidatar é preciso se dirigir ir a uma agência da Caixa Federal, portando sua carteira de trabalho, CPF e documento de identidade com foto.

Pelas regras, os empréstimos podem ser feitos em até 48 meses, com , como os empréstimos pessoais. A tendência é de que esse percentual caia, motivado pela concorrência e pelas negociações intermediadas por sindicatos

Vale lembrar que esse tipo de empréstimo só estará liberado a partir da segunda metade do segundo semestre de 2016.

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, também presidente do Conselho Curador do FGTS, considera que a medida foi um avanço importante para os trabalhadores, ajudando quem precisa de dinheiro em um momento de crise,  dando garantias reais aos bancos, favorecendo a queda nas taxas de juros:

“O trabalhador se beneficia de taxas mais baixas de juros”, ressalta Ronaldo.

Fonte: Portal Brasil – Economia e Emprego

Deixe uma resposta