Imposto, um gerador da desigualdade no Brasil

O Brasil é o segundo país que mais cobra impostos sobre bens e serviços e o que menos tributa a renda da população. De acordo com a Receita Federal, o total arrecadado com tributos sobre bens e serviços em 2015 correspondeu a 16,22% do PIB, enquanto o recolhido com a renda representou 5,85% do PIB

OS TRIBUTOS E A DESIGUALDADE
Para especialistas, essa distorção contribui para perpetuar a desigualdade de renda no País. Os mais pobres pagam mais impostos proporcionalmente à renda do que os ricos e, ao mesmo tempo, os produtos são altamente tributados

IMPOSTOS NA HUNGRIA
No ranking da OCDE (organização composta por 35 países que trocam informações sobre políticas econômicas), o Brasil só perde para a Hungria na tributação de bens e serviços. Naquele país, os impostos arrecadados sobre bens e serviços correspondem a 16,9% do PIB

IMPOSTOS NA DINAMARCA
Em terceiro lugar, a Dinamarca é o terceiro país que mais tributa bens e serviços, com uma arrecadação correspondente a 15,2% de seu PIB.

IMPOSTOS SOBRE A RENDA
Em relação ao imposto sobre a renda da população, os países campeões na categoria são Dinamarca (33,2% de seu PIB), Islândia (18%) e Nova Zelândia (18%); o Brasil é o 30º colocado, com arrecadação correspondente a 5,85% do PIB.

IMPOSTOS SOBRE O TRABALHO
Quanto aos tributos pagos por empresas na folha de pagamento dos trabalhadores, os países que mais cobram impostos dessa categoria são França (18,7%), Áustria (17,7%) e República Checa (14,7%); o Brasil aparece em 18º lugar, com arrecadação correspondente a 8,41% de seu PIB

IMPOSTOS SOBRE A PROPRIEDADE
No quesito tributação de propriedades, os campeões são Reino Unido (4,1% do PIB), França (3,9%) e Bélgica (3,5%); o Brasil está em 18º lugar no ranking, com arrecadação correspondente a 1,35% de seu PIB Com Redação JC e Estadão