Joalheria usava sistema paralelo de contabilidade para compras de Sérgio Cabral e Esposa

A joalheria Antonio Bernardo criou um sistema de contabilidade paralelo para que o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e sua mulher Adriana Ancelmo efetuassem suas compras. Segundo reportagem do jornal O Globo, a informação foi revelada por Vera Lúcia Guerra, gerente de uma das unidades da empresa, durante depoimento ao Ministério Público Federal.

Cabral e Adriana gastaram R$ 5,1 milhões em compra de joias na Antonio Bernardo. Para adquirir as peças, eles usaram dinheiro em espécie. As transações também não tinham nota fiscal e não eram informadas ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras do Ministério da Fazenda. O político era identificado no sistema como “João Cabra”. Já a ex-primeira-dama era chamada de “Lourdinha”.

Sérgio Cabral é alvo da Operação Calicute, da Polícia Federal, que investiga a cobrança de propinas e lavagem de dinheiro que chegaria a mais de R$ 220 milhões durante seu mandato. A compra de joias era um dos métodos utilizados no esquema. Segundo a joalheria H. Stern, o ex-governador gastou R$ 2,1 milhões em suas lojas.

Na sexta-feira, a Justiça do Rio bloqueou R$ 1 bilhão em bens do ex-governador fluminense Sérgio Cabral, da empresa multinacional Michelin e de outras cinco pessoas. A decisão foi tomada a pedido do Ministério Público, depois que a Justiça considerou irregular a concessão de incentivos fiscais de R$ 1,03 bilhão à Michelin pelo governo do estado, a partir de 2010.  Via RedeTV

Deixe uma resposta