Saiba o que é e como calcular a Amortização

Accountant at work in his office

O fato é que, a maioria dos ativos de uma empresa, tangíveis ou intangíveis, perde valor ao longo do tempo. Essas perdas são quantificáveis, o que pode trazer um impacto sobre seus negócios.

Ao discutir um ativo intangível, o processo de quantificação de perdas graduais de valor é chamado de amortização. Em contabilidade, amortização significa diluir o custo de um ativo durante a duração da sua vida útil.

Os benefícios de reconhecer amortização incluem, dentre outros, mostrar a diminuição do seu valor contábil, o que pode reduzir o lucro tributável para a empresa em questão. Isso porque amortização pode ser listada como uma despesa, mas também pode ser usada para limitar o valor do patrimônio líquido.

O que é a amortização e como calculá-la? Descubra no nosso artigo!

Amortização X Depreciação

Enquanto a amortização e a depreciação têm conceitos semelhantes, elas diferem-se em aplicabilidade. A amortização é utilizada para ativos intangíveis, tais como patentes de invenções, licenças, marcas e boa vontade no mercado.

A depreciação é aplicável aos ativos tangíveis que tenham valor residual. Sob o método linear de cálculo de amortização (que explicaremos adiante), as empresas só precisam dividir o custo inicial de um ativo pelo comprimento de sua vida útil. As empresas podem utilizar a depreciação para contabilizar pagamentos em ativos tangíveis, como prédios de escritórios e máquinas que suportam o desgaste ao longo dos anos.

Contabilização de amortização no balanço da empresa

Além de ser importante incluir amortizações e depreciações em um balanço, não fazê-lo com precisão pode constituir fraude. Afinal de contas, o valor de um ativo não é o mesmo depois de 5 anos como era quando você o comprou.

Por isso, as empresas precisam tomar medidas para incluir esses valores em suas declarações de renda e folhas de contabilidade. O primeiro passo é avaliar o valor inicial do ativo, já que é impossível calcular a amortização corretamente sem saber o seu valor inicial. Você pode fazer isso pegando a fatura da compra.

Em seguida, você precisa saber o quanto de vida útil é deixada em seu ativo intangível. Por exemplo, digamos que você comprou uma patente de design de outra empresa, registrada em 2015; considerando-se uma vida útil de 15 anos, você pode inferir sua utilidade.

Valor residual

A terceira e última parte é determinar o valor residual de um ativo, se houver. Este valor é importante, caso você queira vendê-lo em algum momento. Continuando o nosso exemplo: se você pretende vender a patente acima mencionada em 5 anos, então você seria responsável por determinar o valor residual de sua vida restante — os próximos 10.

Calcular amortização

Para calcular a amortização, é preciso subtrair qualquer valor residual (ou seja, o valor de revenda) a partir do valor base do seu ativo intangível (ou seja, o que você pagou por ele). Divida esse número pelo tempo (por exemplo, meses ou anos) remanescente em sua vida útil.

O resultado é a quantidade periódica de dinheiro que você pode amortizar. Ao gravar amortização em seu demonstrativo de renda, comece pelo débito da despesa de amortização.

Fazendo isso, você levanta os ativos, reduzindo a receita total. Em seguida, credite o ativo intangível para o valor da despesa.

Valor patrimonial

Listados no outro lado do lançamento contábil, um crédito diminui o valor patrimonial. Normalmente, as empresas incluem os lançamentos da amortização sob uma rúbrica intitulada “depreciação e amortização” em suas declarações de renda. Não tenha medo de consultar seu contador para obter dicas sobre suas necessidades específicas.

Matéria: Asaas

 

Deixe uma resposta