Segundo levantamento, brasileiro tem usado mais a antecipação do IR para dívidas

O contribuinte brasileiro tem planejado melhor suas finanças pessoais e está buscando na antecipação da restituição do Imposto de Renda uma alternativa de receita para auxiliar no equilíbrio das contas.

Segundo um levantamento do Itaú Unibanco, em 2016 a busca por antecipação da restituição pelos clientes do banco cresceu 81% em relação ao ano passado.

Grande parte desse crédito adquirido pelos clientes é destinado para o pagamento de dívidas e equilíbrio financeiro.

O Banco do Brasil, que até este mês já contabilizou um desembolso de R$ 455 milhões em antecipações de restituição, número que representa uma aumento de 6% em relação à 2015, afirma que a maioria das contratações de antecipação tem como finalidade a troca ou amortização de dívidas.

O diretor de empréstimos e financiamentos do BB Edmar Casalatina diz que ”em média, 65% dos recursos contratados na linha para antecipação do IR têm sido utilizado para liquidar ou amortizar compromissos financeiros com taxas de juros maiores, como por exemplo o cheque especial”.

Antecipação da restituição é boa alternativa de crédito

De acordo com o Itaú, o crédito concedido na antecipação é quitado automaticamente em uma parcela única quando o dinheiro da restituição entrar na conta do cliente ou no mês de dezembro.

Para Flavio Iglesias, diretor do banco, esse tipo de linha de crédito oferece menor risco e maiores prazos, o que faz com que essa linha seja um atrativo para o consumidor em um cenário econômico mais desafiador.

“Com a garantia maior de pagamento e um risco mais controlado, os bancos conseguem oferecer juros mais baixos”, completa.

No Banco do Brasil, o cliente pode antecipar até R$ 20 mil da restituição do IR com taxas de juros a partir de 2,25% ao mês. Já no Itaú, o limite mínimo para contratação é de R$ 200 e as “taxas variam de acordo com o relacionamento do cliente com o banco”.

Fonte: Exame