Com mais de 100 mil pessoas mortas no Brasil em decorrência do coronavírus, cresce um sentimento nos brasileiros: o medo.

Esse sentimento não tem relação apenas com a preservação da vida, em excesso as pessoas tendem a ficar acuadas, ter depressão, e terem a ideia fixa de que irão ficar sem trabalho e sem condições financeiras para se manterem.

Para a professora de psicologia da UFPR (Universidade Federal do Paraná), o medo é bem-vindo num primeiro momento, pois nos leva a tomar atitudes para enfrentar um perigo.

O problema é quando temos o excesso desse sentimento.

Em março e abril, início da pandemia no Brasil, 1,1 milhão de vagas com carteira assinada foram fechadas.

Somado os empregos formais com os informais, a taxa de desemprego chegou ao recorde de 12,6%, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

“Muitos desses brasileiros que ficaram desempregados enxergam no empreendedorismo o caminha para se reerguer.

Todavia, não analisam o momento da vida que estão, se estão com equilíbrio emocional para aguentar esse período pouco previsível que estamos, e se estão dispostos a analisar bem o negócio/franquia antes de investir o aporte que tem.

É preciso uma análise interna, antes de investir em um negócio próprio ou em um modelo de franquia”, explica Thaís Kurita, advogada especializada em franchising da Novoa Prado advogados.

De 55 países analisados pela Global Entrepreneurship Monitor (GEM), divulgado em 2020 com dados de 2019, o Brasil está entre os dez primeiros países onde a falta de emprego é o que impulsiona o brasileiro a empreender.

Somado o medo em decorrência de um momento nunca vivido pela população, em decorrência da pandemia, o desemprego a números recordes, e a necessidade de empreender por sobrevivência, Adriel Braga, Gerente de expansão do CEBRAC e Thaís Kurita, advogada da Novoa Prado e especializada em franchising lista 5 dicas para não cair em armadilhas no investimento do seu negócio/franquia nesta pandemia:

1) Se atente a COF (Nova Lei de Franquia de Março de 2020)

Caso você opte por investir em um modelo de franquia, pesquise o segmento que deseja investir e leia todas as COFs (Circular de Ofertas) de cada franquia.

A nova lei de franquia traz mais transparência a dados que outrora ficavam apenas no contrato.

Como multas, contatos de franqueados existentes e que já saíram do modelo de negócio, qual o valor do aporte necessário, projeções de faturamento, e etc.

Leia, fale com franqueados, e analise bem várias opções antes de optar por uma franquia.

Aconselha Thaís Kurita, advogada da Novoa Prado especializada em franchising.

2) Analise o suporte da franqueadora e/ou estude bem como operar um negócio caso não opte por franquia

Em um momento tão instável como atual, aconselhamos ao indivíduo a optar pelo modelo de franquias.

Por ser um modelo já testado e que já passou por outras crises políticas/econômicas no país.

Analisar desde o estudo do ponto ao treinamento que terá são alguns dos deveres de casa do novo franqueado.

No CEBRAC (Centro Brasileiro de Cursos), por exemplo, temos a Unicebrac que é uma verdadeira universidade para treinar novos franqueados e colaboradores.

Pesquisar qual suporte terá antes, durante e após a compra da franquia é essencial para o sucesso da franquia que você optar.

Esclarece Adriel Braga, Gerente de expansão do CEBRAC.

Negócios durante a crise

3) Respeite o seu emocional

Esse conselho parece óbvio, mas como advogada percebo que muitos candidatos a franqueados se preocupam com o aspecto legal e não com o seu mental.

Isso porque na circular de oferta há dados importantes como a operação da franquia.

Se é necessário trabalhar aos finais de semana, carga horária exigida para o negócio operar bem, dedicação necessária desse franqueado no operacional, entre outros.

Por isso, a importância desse candidato avaliar a sua vida.

Estou em uma fase que posso me dedicar 100% ao negócio?! Devo ter sócio?! Tenho equilíbrio para abrir um negócio no meio da pandemia?! São aspectos essenciais a serem avaliados antes de investir as suas economias em um negócio. Evidencia Thaís Kurita.

4) Pondere se está disposto(a) a mudar de cidade

Há muitos candidatos a franqueados que na ânsia de ter um negócio lucrativo acreditam que lidaram bem com o fato de mudar de estado e/ou região.

Há muitos praças no interior com potencial para crescimento e perspectiva de qualidade de vida e lucratividade, porém somado a esses aspectos positivos vêm os ônus do início de qualquer negócio.

Que são:

  • A dedicação full time ao negócio, ficar longe de amigos e familiares, e etc.
  • O candidato deve ponderar se tem estrutura mental/emocional para esta fase.
  • Os ganhos surgem e não demoram a surgir dependendo da franquia.

No CEBRAC, por exemplo, a margem de lucro pode chegar a 25% do faturamento bruto.

Estamos falando de 40 mil reais mensais dependendo da praça.

Logo, analisar o momento da vida atual, se compensa investir em mais de um negócio para se manter na cidade de origem e/ou mudar de local é importante para o sucesso do empreendedor.

5) Fuja da promessa de lucros imediatos

Seja no mundo do franchising ou fora dele não acredite em milagres.

O valor do aporte que você fará no negócio será proporcional ao projetado para o lucro.

Logo, distribua bem os recursos financeiros que possui e não coloque todos no mesmo negócio.

Lembre-se da reserva de emergência e do conselho tão antigo das nossos avós: não coloque todos os ovos na mesma cesta.

A lei é diversificar. Finaliza Kurita, advogada especializada em franchising.

SOBRE O CEBRAC

O CEBRAC – Centro Brasileiro de Cursos – possui 25 anos de atuação no segmento educacional, e desde sua fundação, a rede de ensino tem sido responsável por formar profissionais para enfrentar os desafios de um mercado de trabalho cada vez mais competitivo.