Home Office: 52% dos trabalhadores aderiram ao trabalho remoto durante a pandemia

0

De acordo com uma pesquisa realizada pelo C6 Bank através do Datafolha, 52% dos trabalhadores aderiram ao home office durante a pandemia da Covid-19.

Este percentual é predominante entre as classes A e B.

Por outro lado, no que compete à classe C, o índice tem uma queda expressiva, para somente, 29% dos profissionais que puderam executar as funções de casa.

Nas classes D e E, a taxa é ainda menor, inferior a 26%. 

O balanço excede os percentuais relativos à População Economicamente Ativa (PEA) brasileira.

Conforme apurado, 1.503 foram ouvidas, via telefone, em todas as regiões do Brasil entre os dias 6 e 10 de julho.

A margem de erro é de apenas três pontos percentuais.

Isso porque, a realização do trabalho em casa, corresponde a uma das principais medidas adotadas durante a pandemia, no intuito de aumentar os índices de isolamento social e diminuir a disseminação e contágio da Covid-19. 

Por outro lado, a execução das atividades realizadas pelo setor de serviços é bem limitada perante a economia brasileira, limitando significativamente, as possibilidades de trabalho à distância.

Sendo assim, mais de dois terços dos trabalhadores assalariados dizem não terem migrado para o home office, cerca de 68%.

O número diminui no que se refere a empresários e liberais, entretanto, ainda é maioria diante de 53% que continuaram a exercer as atividades presenciais. 

No início da pandemia, outro balanço realizado, desta vez pela Pesquisa de Gestão de Pessoas na Crise da Covid-19, de responsabilidade da Fundação Instituto de Administração (FIA), entre 14 a 29 de abril, entre 139 empresas brasileiras de grande, médio e pequeno porte.

Os dados mostraram que, aproximadamente 94% dos empreendimentos informaram que atingiram ou superaram as expectativas de resultados com o home office.

Enquanto, outros 70% planejavam encerrar ou reduzir a prática para somente 25% dos funcionários, assim que o cenário da pandemia tiver fim.

Home Office

Esta decisão de não manter o trabalho à distância, vai contra a percepção dos empregados.

“Uma pesquisa paralela conduzida pelo professor André Fischer, também da FIA, apontou que 70% das pessoas gostariam de permanecer em regime de home office, integral ou parcial”, revelou o professor e um dos responsáveis pelo levantamento, Filipe Talamoni Fonoff. 

Qualificação do trabalho

Na oportunidade, a pesquisa também mostra que, os trabalhadores que possuem ensino superior, foram os que mais aderiram ao home office, diante de 57% que alegaram terem se afastado do escritório.

Por outro lado, conforme o nível de escolaridade é reduzido, o índice também fica menor.

No que compete aos trabalhadores com ensino médio, 31% aderiram ao teletrabalho, enquanto, entre aqueles que têm o ensino fundamental, apenas 22% puderam se afastar. 

Considerando que as funções trabalhistas mais qualificadas no geral puderam aderir ao trabalho à distância, essa parcela foi menos afetada pela suspensão de contratos trabalhistas.

Portanto, nas classes A e B, 14% tiveram interrupção do contrato, contra 23% na classe C, e 21% na D e E. 

Os grupos com maior escolaridade, e que também executam atividades mais complexas, não somente foram possibilitados a se afastarem, como também, foram os menos prejudicados.

Questionados sobre os impactos na carreira decorrentes da pandemia, a proporção é maior nas classes inferiores.

No que se refere aos profissionais das classes D e E, cerca de 58% se declararam prejudicados, enquanto nas classes A e B, o percentual foi de 37%. 

DICA EXTRA JORNAL CONTÁBIL: Você gostaria de trabalhar com Departamento Pessoal?

Já percebeu as oportunidades que essa área proporciona?

O Viver de Contabilidade criou um programa completo que ensina todas as etapas do DP, desde entender os Conceitos, Regras, Normas e Leis que regem a área, até as rotinas e procedimentos como Admissão, Demissão, eSocial, FGTS, Férias, 13o Salário e tudo mais que você precisa dominar para atuar na área.

Se você pretende trabalhar com Departamento Pessoal, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um profissional qualificado.

Por Laura Alvarenga