Através do Auxílio Emergencial o governo brasileiro tentou e tenta ajudar as pessoas que de alguma forma perderam seus empregos e renda durante a pandemia.

E a Famivita, em seu mais recente estudo constatou que 57% das mães com filhos pequenos receberam ou recebem a ajuda.

Porém, no geral, somente 46% da população recebeu ou recebe o auxílio emergencial.

Ou seja, ele não foi disponibilizado para pelo menos metade das participantes. 

O Acre foi o estado em que mais pessoas receberam o auxílio, com 62% da população.

No Espírito Santo e na Bahia, pelo menos metade dos participantes estão usufruindo deste benefício.

No Rio de Janeiro e em Minas Gerais, 47% e 44% receberam o auxílio respectivamente.

Já em São Paulo, estado com mais mortes, 44% das participantes receberam ou recebem o auxílio emergencial do governo.

O estado que menos recebeu o auxílio entre as participantes é Santa Catarina, com 39%.

Ademais, o estudo também constatou que 35% das brasileiras perderam seus empregos durante a pandemia, incluindo as trabalhadoras informais.

Para referência, antes da pandemia, pelo menos 53% das entrevistadas tinham um trabalho.

O Amazonas é o estado mais afetado com a perda de emprego, com 61% das participantes.

No Distrito Federal e no Rio de Janeiro, pelo menos 35% das entrevistadas perderam seus empregos.

Já em São Paulo, foram 33%.

E o estado menos afetado até então é Santa Catarina, com perda de empregos para somente 28% das brasileiras.