As microempresas e empresas de pequeno porte, optantes pelo Simples Nacional, caso comercializem mercadorias sujeitas a substituta tributária do ICMS, deverão segregar as receitas relativas a comercialização dos produtos sujeitas a ICMS por substituição tributária das receitas não sujeitas.

Além disto, a substituída tributária do ICMS, caso seja optante pelo Simples Nacional, também deverá segregar estas receitas.

A substituta responsável pelo recolhimento do ICMS por substituição tributária, optante pelo Simples Nacional, deverá recolher a parcela dos tributos devidos por responsabilidade tributária diretamente ao ente detentor da respectiva competência tributária, no caso, o Estado.

O valor do imposto devido por substituição tributária corresponderá à diferença entre:

ICMS: Não pagamento pode levar empresário à prisão

  1. o valor resultante da aplicação da alíquota interna do Ente Estadual sobre o preço máximo de venda a varejo fixado pela autoridade competente ou sugerido pelo fabricante, ou sobre o preço a consumidor usualmente praticado (MVA); e
  2. o valor resultante da aplicação da alíquota interna ou interestadual sobre o valor da operação ou prestação própria do substituto tributário.

Na hipótese de inexistência dos preços mencionados no item “a” acima, o valor do ICMS devido por substituição tributária será calculado da seguinte forma: imposto devido = [base de cálculo × (1,00 + MVA) × alíquota interna] – dedução.

Para fins de cálculo dos tributos devidos no âmbito do Simples Nacional não será considerado receita de venda ou revenda de mercadorias o valor do tributo devido a título de substituição tributária.

Em outras palavras, o ICMS do Simples Nacional não deverá incidir sobre receitas que estão sujeitas ao ICMS por substituição tributária.

Os Estados e o Distrito Federal deverão observar o prazo mínimo de 60 (sessenta) dias, contado a partir do primeiro dia do mês do fato gerador da obrigação tributária, para estabelecer a data de vencimento do ICMS devido por substituição tributária, por tributação concentrada em uma única etapa (monofásica) e por antecipação tributária com ou sem encerramento de tributação, nas hipóteses em que a responsabilidade recair sobre operações ou prestações subsequentes.

O disposto acima:

  • aplica-se na hipótese de a ME ou EPP optante estar obrigada ao recolhimento do imposto diretamente ao Estado ou ao Distrito Federal, na forma prevista na respectiva legislação, observado o disposto no inciso V do art. 103 da Resolução CGSN nº 140/18 (MEI); e
  • não se aplica:
  1. no caso de a ME ou a EPP estar impedida de recolher o ICMS no âmbito do Simples Nacional nos termos do art. 12; e
  2. quando a optante se encontrar em situação irregular, conforme definido na legislação da respectiva unidade federada.

A verdade é que mesmo a Resolução CGSN nº 140/18 estabelecendo esta obrigação, os Estados não cumprem, exigindo o pagamento do ICMS devido por substituição tributária antecipadamente.

Conteúdo via Grupo Ciatos – A equipe do Grupo Ciatos, através da Ciatos Contabilidade em Belo Horizonte, coloca-se inteiramente à disposição dos clientes para esclarecer qualquer dúvida sobre Simples Nacional, bem como para tratar da melhor estratégia tributária para sua empresa.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.