Saiba o quanto uma alimentação saudável pode ajudar pacientes oncológicos

0

Quando temos uma patologia oncológica há diversos fatores que devem ser tomados em conta aquando da recuperação.

O cuidado com a alimentação deve ser um dos mais fundamentais. É exatamente sobre a importância de uma alimentação saudável que nos fala Fabiano de Abreu, neurocientista e especialista em nutrição clínica.

“Uma alimentação saudável é primordial no auxílio ao paciente oncológico para que tenha uma resposta positiva durante e após o tratamento.

A orientação nutricional com uma dieta equilibrada ajuda no processo de reabilitação e o seu resultado é comprovado mediante ao resultado positivo já no tratamento. “, começa por afirmar Abreu.

A alimentação é responsável por mudanças no nosso corpo, assim como pode melhorar ou piorar as nossas respostas imunitárias segundo as escolhas que fazemos.

Como refere Fabiano, “É necessário uma nutrição que garanta uma melhor resposta, evitando a degradação dos tecidos do corpo e ajudando a reconstruir os tecidos atingidos pelos tratamentos, seja da quimioterapia ou radioterapia.

É necessário a absorção da quantidade e tipo de alimentos necessários para o organismo utilizar os nutrientes depositados e servir como fonte de energia, não sobrecarregando as defesas e enfraquecendo-as pela ausência e prejudicando no combate as infecções.”

Há uma série de decisões que afetam esse ponto e, segundo o especialista, “Hormonioterapia, cirurgia, imunoterapia e o transplante de medula óssea também são terapias frequentemente utilizadas no tratamento do câncer e que afetam a nutrição dos pacientes.”

Durante os tratamentos oncológicos, aspetos relacionados com a alimentação podem ser afetados e ser difícil realizar o processo adequadamente.

“Os tratamentos de pacientes oncológicos podem afetar o olfato, paladar e o apetite, prejudicando a capacidade de absorver os nutrientes necessários podendo também causar desnutrição.

A anorexia e caquexia são causas comuns da desnutrição fazendo com que o paciente tenha perda de massa corporal pela falta de capacidade do organismo de armazenar gorduras. “, esclarece o nutricionista clínico.

Segundo Abreu é ainda de importância referir que “A nutrição também é importante devido aos efeitos colaterais que podem ser evitados ou amenizados com uma dieta específica para o tipo de tratamento e câncer.

A nutrição não só dá a força necessária, mas influencia para que todo o processo funcione de forma eficaz, incluindo o humor.”.

Até a parte ligada apenas ao emocional pode estar a sofrer alterações por conta da dieta alimentar realizada.

“Na questão do humor, o desequilíbrio da microbiota intestinal, assim como na falta dos nutrientes necessários para a liberação de hormônios e neurotransmissores necessários não só para o equilíbrio emocional mas também para o aumento da imunidade.”, reitera o especialista.

Em jeito de conclusão, Fabiano alerta para que “A dieta para pacientes com câncer tem que ser relacionado ao tipo de câncer, estágio, tratamento, levando em consideração não só esses fatores, como também o estilo de vida, histórico e os hábitos.

Avaliando a possibilidade de outros tipos de variações mentais como por exemplo a depressão.”

Por Fabiano de Abreuneurocientista e nutricionista clínico