Brasil revela maior alta de juros em quase 20 anos e já começa a preocupar economia

Banco Central intensifica aperto com sexto aumento consecutivo para combater inflação em alta

O Banco Central do Brasil anunciou seu maior aumento nas taxas de juros desde 2002, acelerando a luta contra a inflação que está na casa dos dois dígitos, já que os investidores temem um alarde de gastos do governo pré-eleitoral.

O país mais populoso da América Latina está testemunhando alguns dos maiores aumentos de preços entre as principais economias, impulsionados por fatores que incluem custos mais altos de combustível, taxa de câmbio enfraquecida e uma seca que aumentou as contas de energia.

O Banco Central do Brasil, assumiu uma postura hawkish e na quarta-feira acelerou o ritmo de aperto. O comitê de política monetária decidiu por unanimidade a favor do salto de 150 pontos-base, ante as altas de 100 pontos-base das duas reuniões anteriores, elevando a taxa básica de juros Selic para 7,75%.

O BCB disse que prevê um ajuste da mesma magnitude em sua próxima reunião. O banco central aumentou as taxas seis vezes até agora neste ano.

A pressão vinha se formando por uma resposta mais agressiva após a turbulência nos mercados financeiros e os temores crescentes sobre a disciplina fiscal do Brasil. A pressão do presidente Jair Bolsonaro para ampliar os pagamentos do bem-estar social aos mais pobres, enquanto ele se prepara para a reeleição no próximo ano, alimentou temores de que os gastos extras do governo aumentem ainda mais a inflação. O índice de ações e a taxa de câmbio caíram na semana passada, depois que foi divulgado que Brasília tentaria contornar um limite constitucional para financiar o programa de benefícios.

O chamado “teto” fiscal limita os aumentos orçamentários em linha com a inflação e é considerado um pilar da credibilidade econômica do país. “Os questionamentos recentes sobre o quadro fiscal aumentaram o risco de redução das expectativas de inflação”, disse o BCB em nota. Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos, disse achar que segmentos do mercado ficariam “descontentes” com o resultado. “Vai acreditar que não foi um aumento suficiente para responder à deterioração do lado fiscal que ocorreu recentemente, e também às pressões inflacionárias que se têm mostrado cada vez mais duradouras e persistentes”, acrescentou.

Antes do evento, Alberto Ramos, economista do Goldman Sachs, argumentou que “uma resposta ousada de política monetária de curto prazo [era] justificada”. “Não só por causa da deterioração das perspectivas de inflação para 2022 e do balanço geral de riscos em torno dela, mas também por causa da. . . efeito prejudicial da volatilidade financeira persistente ”, escreveu ele.

O presidente do BCB, Roberto Campos Neto, terá ponderado esses riscos contra o impacto potencialmente amortecedor de taxas mais altas sobre a atividade econômica.

Após o rebaixamento generalizado das previsões de crescimento econômico para 2022, o maior banco do Brasil, o Itaú, previu esta semana que o produto interno bruto encolherá 0,5 por cento no próximo ano. Os preços ao consumidor do Brasil aumentaram 10,3 por cento nos 12 meses até o início de outubro, mais do que os analistas esperavam e bem acima da meta anual de 3,75 por cento para 2021. Entre as nações do G20, apenas Argentina e Turquia apresentam taxas de inflação mais altas, de acordo com Dados da OCDE . “

É muito difícil dizer que atingiu o pico depois da desvalorização [da moeda] que vimos na semana passada e esperamos que continue no curto prazo”, disse Solange Srour, economista-chefe do Credit Suisse no Brasil.

A Câmara dos Deputados do Brasil deve votar na quarta-feira um projeto de lei que elevaria o teto fiscal e atrasaria o pagamento de certas dívidas públicas ordenadas por tribunais, potencialmente liberando cerca de R $ 80 bilhões ($ 14 bilhões) extras para o orçamento do próximo ano.

Comentários estão fechados.