Nesta quarta-feira (5), a cotação do ouro bateu máximas históricas e um ounce (OZ) do metal chegou a valer mais de dois mil dólares. 

Essa valorização se deve em função da pandemia da Covid-19 e do quadro de juros globais próximos a zero. 

O ouro e outros ativos reais, considerados por muitos investidores como um investimento defensivo, acabam se valorizando em tempos de crise e guerras no mundo.  

Uma das vantagens desta commodity é sua portabilidade entre países, na qual o ativo pode ser negociado em qualquer lugar do mundo pelo mesmo preço.  

Para Fábio Galdino, head de renda variável da Vero Investimentos, “o ouro, ao longo dos últimos dez anos, vem sendo utilizado como uma proteção em relação às posições de ações ao redor do mundo”,  

De acordo com o especialista, com base nas cotações históricas do ouro, a última máxima atingida pelo ativo aconteceu em 2011, e desde 2012 a tendência era de desvalorização. 

Isso mudou a partir de 2019 e o ativo passou a ser ainda mais procurado no período de pandemia global.