Arthur Lira diz que a base de beneficiários do auxílio emergencial deve ser enxugada

0

O deputado Arthur Lira (PP-AL), que pretende ser o novo presidente da Câmara dos Deputados, afirmou que a base de beneficiários do auxílio emergencial deve ser enxugada.

O deputado que é líder do Centrão e conta com o apoio do presidente Jair Bolsonaro, na disputa pelo cargo.

O deputado Arthur Lira (PP-AL), candidato à presidência da Câmara, afirmou que a base de beneficiários do auxílio emergencial deve ser enxugada. Lira é líder do Centrão e tem o apoio do presidente da República, Jair Bolsonaro, na disputa pelo cargo.

auxilio emergencial

“Penso que foi providencial para manutenção da economia aquecida, mas sabemos que ele teve falhas. Acho que a base de recebimento será menor. O cadastro será mais polido”, disse Lira, durante reunião mensal do Conselho Político e Social (COPS), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Lira disse no evento, que ainda não conversou com ninguém do governo, mas conhece a possibilidade de acontecer uma prorrogação do auxílio emergencial ou até mesmo acriação de um novo programa social que venha a substituir o Bolsa Família.

No evento, o candidato ressaltou que não conversou com ninguém com o governo neste ano sobre a possibilidade de prorrogação do auxílio ou mesmo a criação de um novo programa social que possa substituir ou reformular o Bolsa Família.

“Eu tenho a impressão de que, dentro do teto, com o Orçamento aprovado, o mercado aceitaria entre R$ 20 bilhões e R$ 50 bilhões por um período máximo de seis meses”, afirmou Lira.

“O nosso esforço e otimismo nesse assunto é que a gente precise de dois a três meses, com o Orçamento aprovado, para discutir um novo programa. Para isso, precisaria da PEC emergencial para ter espaço e garantir o teto”, acrescentou.

Enquanto isso, o deputado federal e candidato à presidência da Câmara, Baleia Rossi (MDB-SP) , acredita que o ministro Paulo Guedes, possa propor novas parcelas do auxílio emergencial para este ano. Conforme foi publicado no Jornal Folha de São Paulo, na terça-feira (19).

Edição por Jorge Roberto Wrigt Cunha – jornalista do Jornal Contábil