ATENÇÃO AO IRPF: A RECEITA ESTÁ CADA VEZ MAIS RIGOROSA COM A FISCALIZAÇÃO


O período de 2 de março a 30 de abril de 2015 será um dos mais atribulados para o profissionais da contabilidade, que se dedicarão à elaboração e à entrega da Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física – IRPF. “Neste ano, a Receita espera receber mais de 27,5 milhões de declarações nos próximos dois meses, portanto quem se adiantar na entrega da declaração tem maiores chances de receber a restituição primeiro. Além disso, não estará sujeito a multas e penalidades por imprevistos na hora de transmitir o documento”, conclui o especialista.

Mesmo a alguns dias do início do prazo, o consultor tributário da IOB|Sage, Antonio Teixeira recomenda que os contadores orientem seus clientes a separar toda a documentação necessária: comprovantes de renda provenientes de trabalho, como salários, pro labore, aposentadoria, aluguéis e outros, bem como notas fiscais de recibos médicos, compras de materiais e mão de obra para benfeitorias em imóveis, entre outros . “Mesmo que o contribuinte tenha trabalhado em uma empresa por poucos meses, é fundamental obter esses comprovantes para utilizar na declaração”, ressalta o especialista.

Leia Também:  Substituição Tributária ICMS – Alterações do Convênio 142/2018

“O contador deve solicitar também todos os documentos da fonte pagadora, uma vez que as informações do contribuinte que forem transmitidas na declaração serão cruzadas pela Receita Federal do Brasil com a Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte – Dirf. Se houver divergências, o contribuinte cairá na malha fina”, explica Teixeira, que orienta os profissionais a checarem também todas as informações das despesas médicas dos contribuintes.

Anúncios

Uma das novidades do IRPF neste ano é que o contribuinte terá a opção de entregar a “Declaração IRPF 2015 on-line”, disponível no Centro Virtual de Atendimento (eCAC). Neste caso, é necessário o uso de certificado digital do contribuinte ou de seu representante.

Antonio Teixeira também ressalta que médicos, odontólogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, advogados, psicólogos e psicanalistas que utilizam o programa Carnê Leão para efetuar o cálculo do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física deverão informar o número do registro profissional de acordo com os códigos que constam no Anexo Único publicado na Instrução Normativa. “Mesmo os contribuintes que não utilizam o programa deverão informar o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Física (CPF) de cada um dos profissionais nas Declarações de Ajuste Anual do ano-calendário correspondente, ou seja, na próxima entrega da declaração”, alerta Teixeira. A grande novidade é que os profissionais deverão identificar o CPF dos titulares do pagamento de cada prestação de serviços efetuados. O objetivo é evitar que o contribuinte pessoa física cai na malha fina.

Leia Também:  A Contabilidade em 2019: Novas Prioridades e Última Chamada para a Digitalização

Fonte: IOB|Sage

[useful_banner_manager banners=7 count=1]