Auxílio Emergencial: 12 milhões de pessoas deverão refazer o cadastro

0

12,4 milhões de brasileiros que estão inscritos para receber o Auxílio Emergencial de R$ 600 deverão refazer seus cadastros pelo site ou pelo aplicativo do programa.

Segundo Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, essas pessoas tiveram seus cadastros avaliados como inconclusivos, ou seja, inseriram informações que não foram possíveis de serem analisadas no primeiro cadastramento, onde os dados podem conter informações não corretas, como endereço, dependentes ou CPF, entre outros.

Nesse caso, essas pessoas poderão refazer o cadastro. Pedro Guimarães disse, que somente os trabalhadores cujo o cadastro foi considerado inconclusivo, poderão fazer uma nova solicitação.

“Inelegíveis não podem recadastrar, só os inconclusivos”, afirmou Guimarães.

Dos quase 97 milhões de cadastrados, 50,1 milhões foram aprovados, entretanto, 5,2 milhões ainda estão em análise. Já os 26,1 milhões foram considerados inelegíveis, sendo que os inconclusivos foram um total de 12,4 milhões de pessoa.

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães

“Qualquer um desses 12 milhões podem e devem ser recadastrar”, concluiu o presidente da Caixa.

O recadastramento deverá ser realizado através de aplicativo ou site, como aconteceu na primeira vez.

Por outro lado a Dataprev, que é responsável por identificar quem terá direito de receber o auxílio de R$ 600, informou dados um pouco diferentes. Para a Dataprev, dos 96,9 milhões de CPFs analisados e enviados à Caixa Econômica Federal, 50,52 milhões foram considerados elegíveis para receber o benefício. Porém, 32,77 milhões estão inelegíveis e 13,67 milhões estão com seus dados inconclusivos.

Segunda parcela:

Pedro Guimarães informou que as datas de pagamento da segunda parcela do Auxílio Emergencial serão divulgadas nesta semana.

“Eu não vou anunciar agora, porque eu ainda tenho que bater com o ministro Onyx, ministro da Cidadania e nós dois iremos ao presidente da República Jair Bolsonaro, e só após o presidente da República concordar com todo o cronograma que nós vamos em conjunto apresentar, é que nós poderemos falar com vocês, mas certamente será na semana que vem”, concluiu.

Ele também falou que as datas do novo calendário para pagamento, será organizado de modo que não coincidam com as datas de liberação do Bolsa Família, e também não seja ao mesmo tempo com os saque em dinheiro de quem teve recursos depositados na Poupança Digital da Caixa.

Essa medida será para evitar longas filas e aglomerações, como vem acontecendo nas agências da Caixa.