Auxílio Emergencial e FGTS: Posso receber os dois ao mesmo tempo?

0

Estamos em um momento que nem os mais pessimistas imaginariam devido a pandemia do novo coronavírus. Com a pandemia se instaurou uma crise econômica no Brasil e em todo o mundo, para evitar danos maiores a população, no Brasil o governo adotou uma serie de medidas para amenizar os impactos na economia, dentre elas o Auxílio Emergencial e o saque emergencial do FGTS. Porém com o inicio dos saques do FGTS muitas pessoas estão se perguntando, se podem receber o Auxílio Emergencial e o FGTS ao mesmo tempo, se você quer saber, acompanhe!

coronavoucher

Entenda o que é o FGTS emergencial

Autorizado pela Medida Provisória nº 946 de 07/04/2020, é o saque a que tem direito todo titular de conta do FGTS com saldo, incluindo contas ativas e inativas, no valor de até R$ 1.045,00 por trabalhador.

O saque pode ser feito até 31 de dezembro de 2020.

Formas de recebimento

O pagamento do Saque Emergencial FGTS será realizado exclusivamente por meio de crédito em Poupança Social Digital, aberta automaticamente pela CAIXA em nome dos trabalhadores. A movimentação do valor do saque emergencial poderá, inicialmente, ser realizada por meio digital com o uso do aplicativo CAIXA Tem, sem custo, evitando o deslocamento das pessoas até as agências.

Após o crédito dos valores na poupança social digital, já será possível pagar boletos ou contas, ou utilizar o cartão de débito virtual e QR code para fazer compras em supermercados, padarias, farmácias e outros estabelecimentos, tudo por meio do aplicativo CAIXA Tem.

A partir da data de disponibilização dos recursos para saque ou transferência, também de acordo com o mês de nascimento, os trabalhadores poderão transferir os recursos para contas em qualquer banco, sem custos, ou realizar o saque em espécie nos terminais de autoatendimento da CAIXA e casas lotéricas, utilizando o código que deve ser gerado no aplicativo CAIXA Tem.

Entenda o Auxílio Emergencial

O Auxílio Emergencial é um benefício financeiro destinado aos trabalhadores informaismicroempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados, e tem por objetivo fornecer proteção emergencial no período de enfrentamento à crise causada pela pandemia do Coronavírus – COVID 19.

O benefício no valor de R$ 600,00 será pago por três meses, para até duas pessoas da mesma família.

Para as famílias em que a mulher seja a única responsável pelas despesas da casa, o valor pago mensalmente será de R$1.200,00.

Quem estava no Cadastro Único até o dia 20/03, e que atenda as regras do Programa, receberá sem precisar se cadastrar no site da CAIXA.

Quem recebe Bolsa Família poderá receber o Auxílio Emergencial, desde que seja mais vantajoso. Neste período o Bolsa Família ficará suspenso.

As pessoas que não estavam no Cadastro Único até 20/03, mas que têm direito ao auxílio poderão se cadastrar no site auxilio.caixa.gov.br ou pelo APP CAIXA|Auxílio Emergencial.

Depois de fazer o cadastro, a pessoa pode acompanhar se vai receber o Auxílio Emergencial, consultando no próprio site ou APP.

Posso receber os dois ao mesmo tempo?

Sim, você pode receber os dois ao mesmo tempo, para isto basta se enquadrar nas regras dos dois benefícios. Para ter direito ao FGTS basta possuir saldo na conta tanto ativo (emprego atual) quanto inativa (empregos anteriores), se você tiver saldo, pronto, você estará apto a receber.

Quanto ao Auxílio Emergencial é preciso seguir as regras listadas à baixo, se você tiver os requisitos você terá direito. E se você se enquadra nos dois, ótimo, você receberá os dois benefícios!

Exigências para o Auxílio Emergencial

  • Maior de idade ser maior de 18 anos de idade ou ser mãe adolescente
  • Não ter emprego formal destinado para trabalhadores autônomos com rendas informais, que não seja agente público, inclusive temporário e nem exercendo mandato eletivo
  • Não ser beneficiário não receber benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou de outro programa de transferência de renda federal que não seja o Bolsa Família
  • Renda familiar renda familiar mensal per capita (por pessoa) de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar mensal total (tudo o que a família recebe) de até três salários mínimos (R$ 3.135,00)
  • Rendimentos tributáveis não ter recebido rendimentos tributáveis, no ano de 2018, acima de R$ 28.559,70
  • Estar desempregado ou exercer as seguintes atividades exercer atividade na condição de microempreendedor individual (MEI) ou ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) ou ser trabalhador informal inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico)