Auxílio emergencial pode ser prorrogado até o final de 2022

Alguns comentam que o Auxílio Emergencial poderia seguir até o mês de abril do próximo ano, só que eleitoralmente falando isso poderia ser um erro.

O Auxílio Emergencial ainda não teve um futuro certo decidido pelo Governo Federal, o que se sabe até o momento, é que o programa realizará seu último pagamento no final deste mês de outubro, só que ainda existe uma parte do Planalto que pretende prorrogar o benefício.

Há quem defenda dentro do Governo , que o programa seja prorrogado pelo menos até o final de 2022, e o motivo seria apenas um: as eleições presidenciais do próximo ano, pois para essas pessoas, essa seria a melhor maneira de aumentar as chances de reeleição do Presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Alguns comentam que o Auxílio Emergencial poderia seguir até o mês de abril do próximo ano, só que eleitoralmente falando isso poderia ser um erro.

Na prática, o Governo estaria prolongando o programa por mais tempo para cortá-lo em um momento ainda mais próximo das eleições, o que deixaria tudo ainda mais complicado para o Presidente.

Por isso a ideia de manter o benefício pelo menos até o período posterior ao pleito presidencial.

Não se sabe ao certo a opinião do próprio Presidente sobre essa prorrogação, pois o mesmo vem evitando falar sobre o assunto nos últimos dias.

Dos que mais tem comentado sobre isso, estão o Ministro da Economia, Paulo Guedes, o Ministro da Cidadania, João Roma, e o Presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco.

Auxílio Emergencial

O Auxílio Emergencial atende hoje em torno de 35 milhões de famílias, e os valores continuam os mesmos desde o início dos pagamentos, com parcelas que variam de R$ 150 a R$ 375.

Segundo dados do Ministério da Cidadania, o Auxílio Emergencial chegou na casa dos 70 milhões de beneficiários no início dos pagamentos ainda no ano passado, com parcelas de até R$ 1.200 por mês.

O Governo Federal justifica que a queda do valor aconteceu porque o país não está mais sob o período de calamidade pública, e que devemos voltar a respeitar o teto de gastos públicos que impede pagamentos maiores em programas sociais.

Paulo Guedes

Paulo Guedes é um dos obstáculos para a prorrogação do Auxílio Emergencial.

Em entrevista na última terça-feira (12), ele garantiu que o benefício não passará por um novo aumento de meses de repasses.

Segundo o Ministro da Economia, a única possibilidade de prorrogar o programa, é em caso de aumento no número de casos e de mortes decorrentes da Covid-19, o que ele acredita que não irá acontecer por causa do avanço da vacinação.

No que depender do Ministério da Economia, o Auxílio Emergencial não passará por prorrogação, muito menos até o fim de 2022.

Comentários estão fechados.