Paulo Guedes o Ministro da Economia, já decidiu, o Auxílio Emergencial será prolongado por mais dois meses. O beneficiário do Bolsa Família no entanto terá direito a cinco parcelas do Auxilio Emergencial.

O fundamento está continuamente relacionado a pandemia causada pelo novo coronavírus, que continua trazendo muitos prejuízos a população brasileira. Sendo assim, é importante destacar que a renda está sendo rigorosamente prejudicada desde abril, quando os serviços foram suspensos ou grandemente alterados.

Todo o planejamento da equipe econômica está sendo feito em conjunto com o presidente Jair Bolsonaro e a Caixa Econômica Federal.

bolsa familia

O auxilio foi analisado como forma de permitir beneficio para os trabalhadores informais e outras categorias, afetados economicamente pela pandemia. Entretanto, quem é inscrito no Bolsa Família também tem o direito de receber o auxílio financeiro emergencial.

No começo, o beneficio era para ser pago a população brasileira por três meses, sobre o agravamento do quadro epidêmico, os trabalhadores não retornaram as suas atividades, sendo assim, continuaram sem renda.

Com isso, o dinheiro pago a milhares de brasileiros, foi a única solução para as pessoas de baixa renda.

Para aqueles que receberão o auxilio duplo (R$ 1.200) nas três primeiras parcelas, continuarão receber mais duas parcelas no valor total (R$ 2.400).

Até o presente momento R$ 64,5 milhões de trabalhadores receberam o auxílio, sendo eles: inscritos no Cadastro Único, Bolsa Família, Autônimo, informais, sendo um total de R$ 103,8 bilhões. Infelizmente, para quem não cadastrou, foi encerrada no dia 2 de julho.