O auxílio emergencial de R$ 600 poderá retornar ao governo de não for sacado em até 90 dias. O benefício é a compensação, no período de isolamento social, para trabalhadores com contratos suspensos ou reduzidos pagos por meio de contas digitais da Caixa Econômica Federal. O retorno automático ao Tesouro Nacional consta das regulamentações dos dois benefícios publicadas neste mês pelo Ministério da Economia.

Auxílio Emergencial
Auxílio emergencial: quem não sacar em 90 dias terá o valor devolvido ao governo

No entanto, é importante destacar que o beneficiário não perde de vez o auxílio emergencial. O Ministério da Economia informou que o o contemplado poderá retirar o dinheiro mesmo depois de os recursos voltarem ao Tesouro Nacional. De acordo com a pasta, as leis que instituíram o auxílio emergencial de R$ 600 e o benefício emergencial (BEM) garantem o direito ao recebimento de quem teve o cadastro aprovado, dispensando a necessidade de uma nova regulamentação.

O retorno automático aos cofres do governo vale apenas para os benefícios depositados nas contas poupança digital da Caixa. Recebe por essa modalidade quem não tem conta em banco ou quem tiver optado por esse canal na hora de pedir o dinheiro.

De acordo com o ministério, o procedimento é semelhante a benefícios da Previdência Social, que voltam ao Tesouro Nacional caso não sejam retirados. A regra não afeta quem recebe diretamente na conta bancária, de qualquer instituição financeira. Isso porque o governo entende que, nesses casos, o dinheiro já foi sacado.

Era pra ser R$ 200 – O auxílio foi aprovado pelo Plenário da Câmara em 26 de março. Na primeira versão, o governo federal propunha R$ 200, mas o relatório da Câmara defendeu o valor de R$ 500,00. Após negociações com o líder do governo, deputado Vitor Hugo (PSL-GO), o Executivo aceitou aumentar para R$ 600,00.

Com informações da Agência Brasil