Auxílio Emergencial termina em outubro e não será prorrogado

O governo está focado no Auxílio Brasil

O auxílio emergencial começará a pagar a 6ª parcela a partir do dia 17 para os beneficiários do Bolsa Família e no dia 21 para o público geral. No mês de outubro será paga a 7ª e última parcela do benefício. Já com um recado do presidente Jair Bolsonaro, o auxílio emergencial não será prorrogado. Isso porque, o governo está interessado em lançar o Auxílio Brasil que irá substituir o Bolsa Família em novembro.

Existia uma esperança por parte do público que o auxílio emergencial tivesse uma nova rodada até dezembro de 2021.
Os valores do auxílio em 2021 foram bem diferentes do ano passado, quando os beneficiários receberam 5 parcelas de R$600 e as mães chefes de família R$1.200. Em seguida houve uma prorrogação, no entanto, com um valor menor de R$300.

Em 2021, ao anunciar mais rodada do auxílio emergencial, o governo mudou a forma de pagar, liberando valores de acordo com a formação familiar do beneficiário.

Desta forma, o cidadão que mora sozinho está recebendo R$150; as famílias com mais de duas pessoas R$250 e as mulheres chefes de família R$375.

Ao ser prorrogado até outubro deste ano, o governo manteve os mesmos valores de pagamento da primeira rodada. Havia uma esperança que houvesse uma mudança e fosse pago o mesmo valor do ano passado.

Critérios para receber o auxílio emergencial em 2021

O auxílio emergencial está sendo destinado para os trabalhadores informais inscritos no CadÚnico e beneficiários do Bolsa Família que já recebiam o auxílio emergencial de R$ 600 ou a extensão do auxílio emergencial de R$300 em dezembro do ano passado.

Quem não pode receber?

  • Não receberá o auxílio em 2021:
  • Os trabalhadores formais, com carteira assinada
  • quem recebe benefício do INSS ou de programa de transferência de renda federal
  • quem recebeu o auxílio em 2020, mas não sacou nem usou o dinheiro
  • quem estiver com auxílio emergencial 2020 cancelado no momento da análise cadastral do novo auxílio
  • residentes médicos, multiprofissionais, beneficiários de bolsas de estudo, estagiários e similares
  • pessoas com menos de 18 anos, exceto mães adolescentes
  • presidiários
  • quem teve rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019
  • quem tinha em 31 de dezembro de 2019 a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil
  • Quem recebeu em 2019 rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte superior a R$40 mil.

Calendário de depósitos da 6ª e 7ª parcela do auxílio

Mês de nascimentoSexta parcelaSétima parcela
Janeiro21 de setembro20 de outubro
Fevereiro22 de setembro21 de outubro
Março23 de setembro22 de outubro
Abril24 de setembro23 de outubro
Maio25 de setembro23 de outubro
Junho26 de setembro26 de outubro
Julho28 de setembro27 de outubro
Agosto29 de setembro28 de outubro
Setembro30 de setembro29 de outubro
Outubro1 de outubro30 de outubro
Novembro2 de outubro30 de outubro
Dezembro3 de outubro31 de outubro

Calendário de saques da 6ª e 7ª parcela 

Mês de nascimentoSexta parcelaSétima parcela
Janeiro4 de outubro1 de novembro
Fevereiro5 de outubro3 de novembro
Março5 de outubro4 de novembro
Abril6 de outubro5 de novembro
Maio8 de outubro9 de novembro
Junho11 de outubro10 de novembro
Julho13 de outubro11 de novembro
Agosto14 de outubro12 de novembro
Setembro15 de outubro16 de novembro
Outubro18 de outubro17 de novembro
Novembro19 de outubro18 de novembro
Dezembro19 de outubro19 de novembro

Cronograma para os integrantes do Bolsa Família

NIS finalSexta parcelaSétima parcela
NIS 117 de setembro18 de outubro
NIS 220 de setembro19 de outubro
NIS 321 de setembro20 de outubro
NIS 422 de setembro21 de outubro
NIS 523 de setembro22 de outubro
NIS 624 de setembro25 de outubro
NIS 727 de setembro26 de outubro
NIS 828 de setembro27 de outubro
NIS 929 de setembro28 de outubro
NIS 030 de setembro29 de outubro

Comentários estão fechados.