Balcão Único: sistema simplifica a abertura de empresas

0

Os empreendedores que querem fugir das burocracias enfrentadas para abrir uma empresa, podem contar com um novo sistema que permite o registro de um empreendimento de forma simples e automática.

Tudo isso pode ser feito através do sistema conhecido como Balcão Único, que foi lançado em janeiro. 

O projeto desenvolvido pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), é gerido pela Receita Federal e a Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do ME.

A primeira cidade a aderir ao projeto foi São Paulo. Desta forma, continue conosco e veja como funciona o Balcão Único e quem pode aderir. 

Como funciona?  

A intenção do projeto é estabelecer uma parceria entre o governo federal e os governos municipais e estaduais.

O Balcão Único integra os dados entre os órgãos de cada esfera de Governo e o sistema é disponibilizado pela Junta Comercial do estado. 

Por meio do Balcão Único é feita a coleta de todos os dados necessários para o funcionamento da empresa, para isso, o interessado deve preencher um formulário eletrônico que é disponibilizado via internet.

Assim, são disponibilizados por meio deste sistema, os seguintes serviços:

  • Respostas necessárias da Prefeitura; 
  • Registro da empresa; 
  • Obtenção do número do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ);
  • Inscrições fiscais; 
  • Desbloqueio do cadastro de contribuintes; 
  • Recebimento das licenças, quando necessárias; 
  • Cadastro dos empregados que serão contratados. 

Quem pode aderir? 

Inicialmente, o projeto foi estabelecido em São Paulo e no Rio de Janeiro – cidades com maior concentração de negócios no país.

No entanto, o governo federal pretende expandir o projeto para todo o Brasil, a fim de beneficiar todos os empreendedores brasileiros e estrangeiros que queiram investir no país. 

Designed by @pressfoto / freepik
Designed by @pressfoto / freepik

Negócios do Brasil

Em março, o governo federal editou uma Medida Provisória (MP) com o objetivo de promover uma série de melhorias no ambiente de negócios no Brasil.

A expectativa do governo é que a proposta tramite e seja aprovada no Congresso Nacional ainda neste ano.

Desta forma, a MP elevaria o Brasil de 18 a 20 posições no ranking, no qual ocupa hoje o 124º lugar.

A intenção é colocar o país, pela primeira vez, no curto prazo, dentre as 100 melhores economias para se fazer negócios, sendo que o objetivo de médio prazo do Ministério é chegar ao Top50 do ranking.

Dentro da proposta de melhorias listadas na MP, destaca-se a unificação no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) das inscrições fiscais federal, estaduais e municipais.

As cidades que adotarem o Balcão Único poderão reduzir de 10 para três os procedimentos de abertura de empresas, que poderão ser abertas em até um dia. 

Parte das modificações incluídas na MP diz respeito à simplificação para atividades de médio risco.

A obtenção de alvará e licença automáticos para a abertura de estabelecimentos já ocorre desde junho do ano passado com os estabelecimentos de baixo risco.

Estes dois grupos representam 90% das empresas registradas. Também está previsto as seguintes demandas para atividades de médio risco:

  • eliminação da pesquisa prévia de viabilidade locacional;
  • eliminação da pesquisa prévia de nome empresarial;
  • unificação das inscrições tributárias;
  • exclusão da proibição de arquivamento de nomes empresariais semelhantes;
  • vedação para o pedido de reconhecimento de firma.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Samara Arruda com informações do Ministério da Economia