Bolsa Família: milhões são cortado do programa em plena crise econômica

0

O Bolsa Família passou por cortes em plena crise econômica causada pelo auge da pandemia. O pente-fino atingiu principalmente os estados das regiões Norte e Nordeste. Os dados são do Comitê Técnico da Assistência Social do Consórcio Nordeste.

Segundo os dados divulgados pelo Comitê, houve de dezembro a fevereiro de 2021, uma redução de 48 mil famílias beneficiadas pelo Bolsa Família na região Nordeste. Outras 13 mil famílias foram cortadas na região Norte, no mesmo período.

Foto: Jefferson Rudy / Agência Senado
Foto: Jefferson Rudy / Agência Senado

Entretanto, houve um aumento de famílias beneficiadas, nas regiões, Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Região SUL (+26.504)
Região Sudeste (+21.479)
Região Centro-Oeste (+4.090)

Já em relação a perda de benefícios, A Bahia teve 12.706 famílias excluídas entre dezembro de 2020 e fevereiro de 2021. No mesmo período, o Ceará teve 8.639 famílias que perderam o benefício, no Pernambuco foram 7.550 famílias que deixaram de contar com o Bolsa Família. Já o Maranhão registrou 6.609 famílias que não estão mais recebendo o valor pago pelo programa assistencial.

Já nas regiões Sul e Sudeste, aconteceu um aumento de famílias beneficiadas, que passaram a receber o valor pago pelo Bolsa Família:

Minas Gerais (+ 23.047)
Rio Grande do Sul (+ 12.119)
Paraná (+ 9.693)

“São as duas regiões [Norte e Nordeste] mais vulneráveis e com a maior parte da população mais pobre do país. Em meio a um dos momentos mais difíceis, o governo corta benefícios de quem mais precisa”, afirmou o secretário de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia, Carlos Martins.

Todas as regiões do Brasil registraram um aumento no número de famílias beneficiadas pelo Bolsa Família, entre dezembro de 2019 e dezembro de 2020. Entretanto, o Norte e Nordeste, também tiveram menor adesão em comparação as outras regiões.

“A falta do pagamento do auxílio emergencial mais o corte expressivo no Bolsa Família colocam as duas regiões em rota de colisão com uma crise social ainda mais aguda”, analisou o secretário de Justiça da Bahia, Carlos Martins.

Para não perder o benefício é necessário a o cidadão mantenha o seu cadastro sempre atualizado no Cadastro Único (CadÚnico) do governo federal constantemente atualizada.
Os cadastros devem ser atualizados em casos de mudança de endereço residencial, por exemplo, o que evitará que você perca o benefício.

Para ter direito ao Bolsa Família será necessário cumprir os seguintes requisitos:

  • No caso de existência de gestantes, o comparecimento às consultas de pré-natal, conforme calendário preconizado pelo Ministério da Saúde (MS);
  • Participação em atividades educativas ofertadas pelo MS sobre aleitamento materno e alimentação saudável, no caso de inclusão de nutrizes (mães que amamentam);
  • Manter em dia o cartão de vacinação das crianças de 0 a 7 anos;
  • Acompanhamento da saúde de mulheres na faixa de 14 a 44 anos;
  • Garantir frequência mínima de 85% na escola, para crianças e adolescentes de 6 a 15 anos, e de 75%, para adolescentes de 16 e 17 anos.

Fique atento: sempre as mudanças que acontecem no programa, como aconteceu agora, sendo o pagamento das parcelas realizada de outra forma: através do aplicativo Caixa Tem, da Caixa Econômica Federal.
A plataforma está disponível para os sistemas operacionais Android e iOS. Não é necessário fazer uma solicitação para ter acesso. O Ministério da Cidadania se encarregou de realizar o cadastro automático dos beneficiários.

Para ao baixar o aplicativo, será necessário fazer um login com o número do Cadastro de Pessoa Física (CPF e criar uma senha de seis dígitos numéricos. Lembrando que, a senha é intransferível e pessoal.

Edição por Jorge Roberto Wrigt Cunha – jornalista do Jornal Contábil