A população brasileira pode ser descrita como uma das que mais abrem negócios no mundo. Em tempos de crise, como a que é vivida no momento com a pandemia do novo coronavírus, essa tendência fica ainda mais aflorada.

Em 2020, o número de empreendimentos iniciais – quando uma empresa possui menos de 3,5 anos de existência  – deve atingir o maior patamar dos últimos 20 anos, de acordo com estimativas da pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizada anualmente.

A análise, realizada através do histórico de dados da GEM, mostra que essa onda de empreendedorismo é ainda mais intensificada em momentos de recessão, como os que ocorreram entre os anos 2008-2009 e entre os anos 2014-2016.

Sendo assim, com a economia afetada pela crise sanitária, a perda de empregos, a suspensão de contratos e  a diminuição de jornada, mais pessoas buscarão apoio no empreendedorismo, seja de modo mais formal – com uma loja ou e-commerce – ou informal – com vendas pelo bairro, por meio de redes sociais. 

“Com um dos resultados da pandemia do novo coronavírus, acreditamos que neste ano de 2020, o grupo dos empreendedores iniciais cresça e atinja o novo recorde histórico, com uma proporção de 25% do total da população adulta.

Este número, segundo nossa projeção, será puxado pelas mulheres, pelas pessoas negras, em geral, os grupos que mais costumam ser afetados pelo crescimento do desemprego”, comenta o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

Em 2019, o país atingiu  23,3% de taxa de empreendedorismo inicial, a maior já alcançada. Ela também é a segunda em números de empreendedores, com 38,7% da população adulta, entre 18 e 64 anos.

Estima-se que 53,4 milhões de brasileiros desempenham alguma atividade empreendedora, seja planejando e iniciando as operações de um novo negócio, consolidando sua marca ou se esforçando para que o empreendimento siga em operação.

Os resultados fizeram com que o Brasil chegasse à marca de quarta maior Taxa de Empreendedorismo Inicial em 2019.

O estudo foi realizado com 55 países – na ocasião, a marca foi superior às registradas nos países do BRICS (EUA, Colômbia, México e Alemanha).

Empreendedorismo em tempos de crise

Ainda que já seja comum o país registrar alta no número de empreendimentos em anos marcados por crises financeiras, abrir um novo negócio nem sempre é fácil.

Para fazer isso de forma estruturada, é importante ter um planejamento, que pode ser traçado com a ajuda de alguém formado na faculdade de Administração.

Isso porque a fase mais complicada para um negócio são os primeiros anos. Um dos motivos para o fechamento ou a desistência de abertura é a burocracia e os impostos que devem ser pagos.

Desta forma, é importante escolher o segmento ideal para você, além de verificar as linhas de crédito disponíveis para auxiliar na abertura.

Por outro lado, também há a oportunidade de começar de forma mais modesta, com a produção de materiais em casa – como doces, itens personalizados e artes, por exemplo – e vender por e-commerce, delivery ou redes sociais. Nesse cenário, alguns gastos seriam cortados inicialmente. 

DICA EXTRA  DO JORNAL CONTÁBIL : MEI saiba tudo o que é preciso para gerenciar seu próprio negócio.  Se você buscar iniciar como MEI de maneira correta, estar legalizado e em dia com o governo, além de fazer tudo o que é necessário para o desenvolvimento da sua empresa, nós podemos ajudar. 

Já imaginou economizar de R$ 50 a R$ 300 todos os meses com contador e ainda ter a certeza que está fazendo suas declarações e obrigações de forma correta.

E o melhor é que você pode aprender tudo isso em apenas um final de semana. Uma alternativa rápida e eficaz é o curso MEI na prática. Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que um MEI precisa saber para ser autônomo e nunca mais passar por dificuldades ao gerir o seu negócio. 

Quer saber mais? Clique aqui e mantenha sua empresa MEI em dia!