Caixa: Novo crédito de R$ 1.000 será liberado por aplicativo

0

A Caixa Econômica Federal (CEF) irá liberar R$ 10 bilhões em microcrédito para brasileiros que desejam abrir ou investir em seus negócios. A ideia é oferecer microcréditos para apoiar os brasileiros após o fim do auxílio emergencial, que terminará agora em dezembro.

A medida é uma estratégia de crescimento do banco para os próximos anos. De acordo com a Caixa, aproximadamente 10 milhões de empreendedores serão beneficiados com pequenos empréstimos de até R$ 1.000.

Também está nos planos da Caixa a abertura de capital na bolsa americana Nasdaq e criação de banco digital, criando uma opção para os brasileiros desbancarizados. Essa linha de microcrédito para empreendedores ficará disponível no novo banco digital.

Condições

Para os empreendedores terem acesso ao microcrédito, será necessário observar as condições.O valor máximo será de R$ 1 mil e pagamento de três a cinco anos. A taxa de juros ainda não foi informada pela Caixa. Entretanto, o banco afirma que ela será mais acessível do que as encontradas no mercado.

O banco lembra que, mesmo com as facilidades, o empreendedor terá que lembrar que é um empréstimo, e não um benefício pago.

“O microcrédito não é auxílio. O auxílio é transferência. O microcrédito é um crédito, para aqueles que têm condição de pagar a Caixa de volta”, reforçou Pedro Guimarães, presidente do banco.

Beneficiários do auxílio emergencial poderão ter acesso ao empréstimo fácil da Caixa
A caixa deverá disponibilizar em 2021, empréstimo para os beneficiários do auxílio emergencial. Isso porque, quando o benefício começou a ser pago, milhões de contas poupanças sociais digitais foram abertas pelo banco. E elas estão em nome dos brasileiros considerados “invisíveis” pelo governo. Sendo assim, a Caixa vislumbrou abrir microcrédito para esse grupo de pessoas.

O microcrédito só deverá ser lançado assim que terminar os pagamentos do auxílio emergencial. Todos que receberam auxílio, continuarão com as contas digitais ativas, mesmo com o final do benefício.

A opção deve ficar disponível ainda no primeiro trimestre de 2021.

Edição por Jorge Roberto Wrigt Cunha – jornalista do Jornal Contábil