Contratar o funcionário “errado” pode sair caro para as empresas, além de trazer custos e perda de produtividade. O processo de seleção de um novo colaborador é complexo e os recrutadores devem considerar muitos fatores na hora da seleção.

Para esclarecer dúvidas e ajudar os entrevistadores e gestores a encontrar o “candidato ideal”, o coordenador do curso de pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas da FECAP, Augusto Dutra Galery, elenca os pontos principais que devem ser levados em conta para não ter “dores de cabeça”.

QUAIS COMPETÊNCIAS A EMPRESA BUSCA?

O ideal no momento de selecionar um novo colaborador é compreender quais competências ele deve ter para desempenhar a atividade. Um erro comum nesse momento é conhecer pouco os processos de trabalho da vaga em questão. Se o recrutador está distante da rotina que o funcionário realizará, não deve partir do pressuposto que compreende o trabalho. Uma dica é conversar com supervisores ou outras pessoas na mesma posição para compreender quais são as reais habilidades e conhecimentos necessários para a vaga.

[banner-rotativo]

CONSIDERE EXPERIÊNCIAS ANTERIORES

Outro erro comum é considerar apenas a experiência profissional e desqualificar as atividades extras que o candidato traz. Peça para o candidato contar histórias de suas experiências e pense em quais conhecimentos questionar na entrevista. Por exemplo, se o candidato afirma que conhece um determinado sistema de informática, acrescente perguntas: “Como você aprendeu a usar esse sistema?” ou “Você já teve que gerar relatórios nesse sistema?”. Vale a pena listar essas competências para analisar como as experiências anteriores do candidato poderão somar à nova posição que ele ocupará. Pondere se vale a pena aplicar um teste (por exemplo, peça ao entrevistado para fazer uma planilha no Excel, se essa for uma habilidade necessária).

SALÁRIO É IMPORTANTE, MAS NÃO É TUDO

Busque descobrir as motivações do candidato. Um erro comum é achar que apenas o salário manterá o colaborador motivado. O dinheiro é importante, mas não é o único motivador. Funcionários que trabalham apenas pelo dinheiro não criam comprometimento com os resultados, nem engajamento com a empresa, mesmo quando são comissionados. Procure as motivações relacionadas à aprendizagem que a vaga poderá trazer. Descubra se a pessoa tem interesse nas tarefas que assumirá, se as considera desafiadoras, ou se poderá aprender com elas.


O CANDIDATO SE ADEQUA À CULTURA DA EMPRESA?

Não selecione os candidatos com base apenas em habilidades e conhecimentos técnicos. Uma em cada quatro demissões no Brasil acontece por falta de adequação do funcionário à cultura da empresa, segundo estudo da consultoria Robert Half. Conhecer os valores do candidato é muito importante para compreender se ele se adaptará à organização. Questões relacionadas a relacionamento com a equipe e o líder também estão entre as principais causas de demissão. Deixe que ele converse com o líder imediato e faça dinâmicas para avaliar se o candidato se comporta em grupo da forma que você espera de um colaborador. Não é uma questão de descobrir valores certos ou errados, mas de checar aqueles que mais se adequam à cultura da empresa.

Sobre a FECAP: A Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) é referência nacional em educação na área de negócios desde 1902.