Carência para aposentadoria: Saiba o que é quais os termos e como funciona

Para ter direito aos benefícios do INSS é preciso preencher alguns requisitos. Uma dessas exigências, que confunde muitas pessoas, é a carência para aposentadoria, necessária para todas as modalidades.

Conhecer como funciona a carência figura como algo fundamental para fazer um bom planejamento e saber quanto tempo ainda falta para finalmente se aposentar e aproveitar essa fase.

Pensando nisso, escrevemos este texto explicando todas as regras sobre o assunto. Não perca!

O QUE É A CARÊNCIA PARA APOSENTADORIA?

A carência consiste em um número mínimo de meses durante os quais o segurado da Previdência Social deve contribuir ao sistema para ter direito a certos benefícios oferecidos pelo INSS. Isso pode valer também para os dependentes do indivíduo em questão.

Ela funciona como as carências de plano de saúde: enquanto o segurado não contribuir pelo tempo estipulado, não está habilitado a usufruir do direito junto ao INSS. A carência se aplica aos seguintes benefícios previdenciários:

  • auxílio-doença;
  • aposentadoria por invalidez;
  • aposentadoria por idade;
  • aposentadoria por tempo de contribuição;
  • aposentadoria especial;
  • salário-maternidade de trabalhadores autônomos, segurados especiais e facultativos.

Os outros benefícios do INSS não exigem carência, ou seja, mesmo com um mês de contribuição, o segurado tem direito às vantagens se preencher todos os requisitos.

COMO FUNCIONA A CARÊNCIA?

A carência não deve ser confundida com o tempo de contribuição. As regras para o começo da contagem são diferentes, dependendo sempre do tipo de segurado do INSS. Assim, explicamos a seguir como funciona cada modalidade.

SEGURADO EMPREGADO OU TRABALHADOR AVULSO

O segurado empregado, aquele que trabalha com carteira assinada, tem sua carência contada a partir do momento em que começa a exercer a atividade — a data que está anotada na CTPS. Isso acontece porque é nesse instante em que passa a haver filiação ao INSS.

Vale lembrar que aqui a contribuição é presumida: como a responsabilidade pelo pagamento é do empregador, o segurado tem sua carência contada ainda que o recolhimento não esteja sendo feito.

CONTRIBUINTE INDIVIDUAL E FACULTATIVO

O contribuinte individual é o trabalhador autônomo, enquanto o facultativo é quem não exerce atividade remunerada, mas optou por contribuir ao INSS para ter direito aos benefícios previdenciários. Para ambos, a carência só começa a ser contada a partir do primeiro pagamento em dia, ou seja, desde o recolhimento até a data de vencimento. Como é o próprio segurado que faz essa contribuição, é preciso ter bastante cuidado para não atrasar os vencimentos.

EMPREGADO DOMÉSTICO

Assim como no caso dos contribuintes individuais, a carência do empregado doméstico também passa a valer a partir do primeiro recolhimento sem atraso nessa categoria. Porém, há uma diferença. Se o segurado não conseguir comprovar o pagamento em dia quando requerer a aposentadoria, pode ter a carência contada desde o início da atividade, caso prove que trabalhou como empregado doméstico. Nessas situações, o benefício vale um salário-mínimo.

A QUAIS MODALIDADES DE APOSENTADORIA ELA SE APLICA?

O tempo de carência se aplica para todas as modalidades de aposentadoria: por idade, por tempo de contribuição, especial e por invalidez. Entretanto, existem algumas diferenças entre elas. Para as aposentadorias por idade, por tempo de contribuição e especial, a carência é de 180 meses (ou 15 anos) de pagamentos mensais ao INSS. Já para a aposentadoria por invalidez, esse período cai: apenas 12 meses.

No último caso, porém, a carência pode ser dispensada se for constatado em perícia que o segurado está acometido por uma doença grave. Atualmente, as doenças assim classificadas estão listadas no artigo 151 da Lei n.º 8.213 de 1991.

É fundamental que o segurado conheça o tempo de carência para aposentadoria e como ele funciona, sabendo se tem direito ao benefício e quantos meses ainda deve contribuir para se aposentar. Não esqueça de contar com um advogado especialista, capaz de analisar todas as regras e realizar simulações para verificar a melhor opção.

Dica extra: Compreenda e realize os procedimentos do INSS para usufruir dos benefícios da previdência social.

Já pensou você saber tudo sobre o INSS desde os afastamentos até a solicitação da aposentadoria, e o melhor, tudo isso em apenas um final de semana?

Uma alternativa rápida e eficaz é o curso INSS na prática: Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber para dominar as regras do INSS, procedimentos e normas de como levantar informações e solicitar benefícios para você ou qualquer pessoa que precise. Não perca tempo, clique aqui e domine tudo sobre o INSS.

Conteúdo original via Elisio Quadros Sociedade de Advogados