O Líbano recebeu um “aviso vermelho” da Interpol pela prisão do ex-chefe da Nissan fugitivo Carlos Ghosn.

O pedido foi recebido pelas forças de segurança interna do Líbano na quinta-feira e ainda deve ser encaminhado ao judiciário, informou a agência de notícias Reuters.

Ghosn, que estava sendo julgado no Japão por suposta má conduta financeira, chegou a Beirute na véspera de Ano Novo.

O jato particular do qual ele escapou aterrissou em Istambul primeiro, levando a uma investigação pela Turquia.

Segundo a mídia turca, sete prisões foram feitas em conexão com o caso – quatro pilotos, um gerente de empresa de carga e dois funcionários do aeroporto.

Um “aviso vermelho” da Interpol é um pedido à polícia de todo o mundo para prender provisoriamente uma pessoa pendente de extradição, entrega ou outra ação legal semelhante.

No entanto, o Líbano não tem tratado de extradição com o Japão.

O empresário possui cidadania francesa, libanesa e brasileira e fez extensos investimentos em bancos e imóveis no Líbano.

A França disse que não o extraditará se ele chegar ao país.

Ghosn pagou 1 bilhão de ienes (6,8 milhões de libras esterlinas) em fiança no Japão em abril do ano passado, antes de seu julgamento. Ele disse que ao chegar ao Líbano “escapou da injustiça e da perseguição política”.

Enquanto isso, na quinta-feira, dois advogados libaneses apresentaram uma queixa criminal contra Ghosn por visitar Israel em janeiro de 2008, informou a Agência Nacional de Notícias.

Eles argumentaram que ele havia desafiado a proibição de entrada de cidadãos em Israel, com os quais o Líbano ainda está tecnicamente em guerra.

Agora cabe ao Ministério Público do Líbano decidir se deve sustentar a denúncia.

O que há de mais recente nas investigações?

De acordo com a mídia turca, o jato particular de Ghosn pousou no aeroporto de Ataturk, em Istambul, às 05:30 (02:30 GMT) na segunda-feira, depois de ter voado do aeroporto japonês de Kansai em Osaka.

O site de notícias Hurriyet citou funcionários do Ministério do Interior dizendo que a polícia de fronteira turca não havia sido informada de que Ghosn estava no avião e que ele não estava registrado como entrando ou saindo do país.

No entanto, não houve nenhum comentário oficial sobre o caso.

O ministro das Finanças da França, Agnès Pannier-Runacher, disse que Ghosn “não deveria ter escapado do sistema judiciário japonês”, mas acrescentou: “A França nunca extradita seus cidadãos”.

Ghosn, que também era chefe da montadora francesa Renault, está sob investigação na França, mas nenhuma acusação foi feita.

Sabemos mais sobre a fuga?

Ghosn tinha três passaportes – brasileiros, franceses e libaneses – que foram entregues à sua equipe jurídica no Japão. A equipe sustenta que ainda estava na posse deles quando ele saiu.

Os relatos da mídia agora dizem que ele pode ter um quarto passaporte legal para mostrar sua identidade em algumas viagens internas ao Japão, mas ele estaria em uma caixa ou caso trancado e seus advogados teriam o código.

Não há registros dele usando um passaporte para deixar o Japão, então os investigadores acreditam que ele usou meios ilegais.

A Reuters citou na quinta-feira fontes próximas a Ghosn dizendo que ele decidiu fugir depois de descobrir que seu julgamento foi adiado até abril de 2021.

Eles disseram que ele também estava “angustiado” por ser impedido de se comunicar com sua esposa, Carole, que está no Líbano.

Há relatos de que Ghosn deixou o Japão se escondendo em uma grande caixa de instrumento musical, embora sua esposa tenha descrito os relatórios como “ficção”.

Na quinta-feira, Ghosn disse que as especulações da mídia de que sua esposa havia desempenhado um papel na fuga eram “imprecisas e falsas”.

“Só eu arranjei minha partida”, disse ele em comunicado.

Que acusações Carlos Ghosn enfrenta?

Outrora considerado um herói no Japão por mudar a Nissan, Ghosn passou 108 dias sob custódia após sua prisão em Tóquio em novembro de 2018.

A Nissan o demitiu três dias após sua prisão .

Os promotores alegam que ele fez um pagamento de vários milhões de dólares a um distribuidor da Nissan em Omã. Enquanto isso, a Nissan apresentou sua própria queixa criminal contra Ghosn, acusando-o de desviar dinheiro da empresa para seu enriquecimento pessoal.

Ele também é acusado de subnotificar seu próprio salário. Ghosn nega todas as acusações.

Com Agência BBC