Toda e qualquer crise demanda das empresas alguns ajustes em seu design organizacional e por vezes eliminação de alguns níveis de gestão.

Nesse caso, trabalhar em uma empresa que precisa reduzir os níveis por conta do atual momento do país, pode fazer com que a expectativa de subir na carreira não ocorra ou seja postergada durante os próximos meses.

Caso esteja fora do mercado, pode ocorrer algo ainda mais delicado, dificultando as oportunidades no nível que você deseja.

E agora? Quais são os possíveis caminhos?

O significado original da palavra carreira aponta para a ideia de caminho/estrada por onde passavam os carros.

Carreira é como uma “jornada” metafórica de um indivíduo através da aprendizagem, do trabalho e de outros aspectos da vida.

Já a “gestão de carreira” é algo muito sério e que não pode ser delegado a terceiros, como era feito no passado, quando alguns responsabilizavam o chefe, a empresa ou a área de recursos humanos.

Cada dia fica mais evidente que as empresas podem criar condições ou oferecer oportunidades de desenvolvimento e de aprendizado, mas quem deve cuidar do seu destino e da sua carreira é você mesmo.

É importante assimilar que “mobilidade de carreira” é diferente hoje em dia e existem mais opções do que simplesmente subir a famosa escada corporativa.

Enriquecimento, exploração, lateralidade, realinhamento, verticalidade e saída são seis possíveis estratégias de carreira.

As experiências de enriquecimento permitem que você aprenda novas habilidades ou adicione responsabilidades à função atual.

As experiências exploratórias são atribuições de curto prazo que lhe permitem tentar algo novo.

Os movimentos laterais expandem a sua rede e trazem boas oportunidades dentro e fora do ambiente profissional.

Com o realinhamento, você dá um passo intencional para trás para mudar o foco e procurar o que é realmente importante para o desenvolvimento.

verticalidade é normalmente uma promoção ou algum outro passo para cima.

E por vezes a solução é sair da organização, já que em alguns casos a expectativa de permanecer em um lugar, com uma função de maior responsabilidade, não será realizada.

Ainda assim, algo fundamental para ter sucesso nesse caminho é não pensar na sua carreira de modo tradicional, linear e previsível.

Uma boa carreira é a proteana: multilinear e multidirecional. Ou seja, ela é sem fronteiras, autodirigida e caracterizada especialmente pela flexibilidade, pelo limite estreito entre os interesses profissionais e pessoais, pela busca de condições de trabalho mais gratificantes e pela qualidade de vida, em que o que é produzido profissionalmente deve ter um novo significado pessoal.

Por esse motivo é essencial refletir como foi a sua carreira até aqui e como ela deve ser daqui para frente.

Por Bia Nóbrega, coach, mentora, palestrante, conselheira e executiva há mais de 22 anos na Área de Recursos Humanos em empresas líderes em seus setores.