Checklist bancário: Recomendações para reduzir o risco de crédito

0

No ambiente atual de incerteza e instabilidade financeira, o papel que os bancos desempenham economicamente nunca foi tão relevante, tanto local quanto globalmente.

Consumidores, pequenas e médias empresas e entidades comerciais estão recorrendo às instituições financeiras para obter mais apoio e assistência, especialmente à medida que os programas de estímulo econômico introduzidos pelos governos começam a expirar em todo o mundo.

Em alguns mercados, a pandemia apresentou aos bancos novas oportunidades, em particular a aceleração de novos processos e tecnologias digitais.

Por conta dessa tendência, a FICO, empresa líder mundial em software de análise preditiva, lançou a terceira edição do white paper ” Lidando com a crise da Covid-19: adaptando-se à nova realidade“, com o objetivo de ajudar os bancos a se adaptarem e crescerem nesta situação sem precedentes.

Aqui estão as cinco recomendações da FICO para que as organizações possam reduzir o seu risco de crédito:

1. Considere todos os segmentos de clientes de risco: 

durante os estágios iniciais da crise, surgiram dois grandes segmentos de clientes – aqueles afetados negativamente pelos impactos financeiros da pandemia e aqueles aparentemente não afetados.

Agora, dada a gravidade da segunda onda, mais consumidores estão em risco.

Diferentes segmentos começaram a surgir, particularmente de pessoas que ainda não foram prejudicadas econômica ou financeiramente, mas que subiram para uma categoria de alto risco devido a vários fatores – seja por conta dos setores em que estão envolvidos ou por sua capacidade de trabalhar à distância a longo prazo, por exemplo.

Além disso, muitos dos clientes anteriormente classificados como de alto risco já receberam dois ou mais benefícios, como carência e redução da taxa de juros.

Portanto, a FICO recomenda a aplicação de uma análise mais detalhada das carteiras de clientes e de um modelo de segmentação mais granular para identificar os clientes que foram afetados.

Novos segmentos podem incluir:

• Recuperado, mas ainda em risco

• Alto risco de ser afetado no curto prazo

• Possível risco de ser afetado a médio prazo

• Clientes que parecem ser financeiramente sólidos a médio e longo prazo

É necessário aplicar processos e estratégias de risco personalizados para cada segmento e subsegmento, bem como garantir que os fundos estejam disponíveis, sempre que possível e necessário, e que os empréstimos possam ser reescalonados.

2. Considere taxas, taxas e encargos: 

em certos casos, os bancos devem considerar a dispensa de taxas, bem como taxas de cheque especial; deve também ajustar as condições dos empréstimos e os prazos de pagamento para clientes que não tenham sido afetados pela primeira onda e que se mostrem dispostos a pagar, mas que não possam fazer isso neste momento.

3. Não saia do “diário de bordo”: 

certifique-se de que os registros do portfólio e da política sejam continuamente atualizados com todas as ações realizadas e os detalhes da conta contidos nos programas e impactos previstos.

Além disso, mantenha um registro cuidadoso de todas as principais transformações macroeconômicas para que possa identificar e compreender as mudanças de causa e efeito. 

O histórico dessa conta permanecerá em seus registros por muito tempo – meses ou anos a partir de agora – para que as pessoas que não vivenciaram a crise possam saber em detalhes o que aconteceu.

Essas informações precisam incluir não apenas o impacto da crise, mas também as mudanças de política que foram feitas por causa dela que, por sua vez, afetam o desempenho da carteira, o teste do modelo de risco e a análise de risco.

Faça isso mesmo se você decidir não implementar programas especiais.

O registro dos efeitos da crise e das regiões afetadas irão ajudar a interpretar quaisquer padrões de comportamento incomuns que você observar posteriormente nos dados.

Designed by @pressfoto / freepik
Designed by @pressfoto / freepik

4. Reconheça que não há “clientes não afetados”: 

muitos clientes resistiram à primeira onda – mas agora ninguém ficou ileso.

Apesar do novo ambiente, nem todas as carteiras estarão necessariamente inadimplentes.

No entanto, clientes não afetados anteriormente não devem ser ignorados. 

Esteja ciente dos scores de crédito em deterioração; tome a iniciativa e implemente medidas imediatas de combate à inadimplência para garantir a melhor experiência ao cliente.

Além disso, agradeça aos clientes que permaneceram com você apesar dos tempos difíceis.

São eles que vão manter a sua carteira à tona, pois vão gerar rentabilidade em face à diminuição da chegada de novos consumidores.

5. Armazene os dados e prepare-se para revisar as pontuações e padrões de comportamento após a crise: 

os clientes afetados pela crise podem experimentar mudanças em seus níveis de receita e liquidez, levando a mudanças no comportamento de pagamento e até mesmo à inadimplência involuntária. 

Novas variáveis podem ser derivadas de:

• Clientes que receberam facilidades de pagamento durante a primeira onda

• O desempenho subsequente desses clientes

• Diferentes características ou comportamentos entre clientes que foram salvos e aqueles que permanecem em atraso em seus pagamentos

• Carteiras afetadas por regulamentos

Não existe um método preciso para garantir quais variáveis explicarão o comportamento futuro.

No entanto, todas elas, sejam novas ou tradicionais, devem ser armazenadas.

Além disso, todas as ações relacionadas devem ser arquivadas e todas as reações devem ser cuidadosamente monitoradas.

Sobre a FICO

Líder mundial em software de análise preditiva, a FICO é especializada em examinar dados e aplicar tecnologias como inteligência artificial, machine learning e analíticos para prever o comportamento do consumidor, otimizando as interações das empresas com seus clientes.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.