Chegou ao Brasil neste mês de junho a nova vacina contra herpes-zóster

No Brasil, infelizmente as pessoas que precisarem dessa vacina, não poderá ter acesso a não ser pela rede particular

O herpes-zóster é uma erupção cutânea dolorosa que ocorre em aproximadamente 1 milhão de pessoas nos Estados Unidos anualmente. Pode se desenvolver em qualquer pessoa que tenha tido varicela. Cerca de 95% da população adulta dos EUA teve varicela e, portanto, pode desenvolver herpes-zóster.

A síndrome de Ramsay Hunt, causada pelo vírus herpes-zoster passou a ser divulgada depois que o cantor Justin Bieber postou em suas redes sociais, que estava com paralisia no rosto devido à doença.

Ela causa paralisia no rosto e atinge o sistema auditivo, podendo ser precedida por zumbidos e tontura.

O herpes-zoster ocorre quando o vírus varicela-zóster é reativado do estado latente em que se encontra na raiz dorsal ou gânglios dos nervos cranianos e espalha-se através do nervo aferente para a pele. No Brasil, o herpes-zóster é conhecido como cobreiro. 

Vacina

Neste mês de junho, o brasileiro passou a ter a sua disposição em clínicas particulares, a chamada Shingrix, vacina fabricada pela farmacêutica GSK. Mas não é todo mundo que poderá ter acesso, pois ela custa algo em torno de R$ R$ 843 por cada dose. A pessoa precisa tomar duas doses.

Ela deve ser aplicada em pessoas acima de 50 anos, no entanto, o público maior de 18 anos que são imunossuprimidos-portadores de HIV ou em tratamento de câncer pode também utilizar o imunizante. 

Os imunizantes são indicados para esses públicos porque são os que têm maior risco de desenvolver a doença. A condição é causada pelo vírus varicela-zóster, o mesmo que provoca a catapora, que permanece em latência durante toda a vida do indivíduo infectado.

Vacinas ainda indisponíveis na rede pública

No Brasil, infelizmente as pessoas que precisarem dessa vacina, não poderá ter acesso a não ser pela rede particular. A rede pública ainda não oferece o imunizante.

Sintomas da doença

Os principais sintomas característicos do herpes-zóster são:

Bolhas e vermelhidão que afetam apenas um lado corpo, pois acompanham a localização de algum nervo no corpo, percorrendo o seu comprimento e formando um caminho de bolhas e feridas pelo tórax, costas ou barriga;

Coceira no local afetado;

Dor, formigamento ou queimação na região afetada;

Febre baixa, entre 37 e 38ºC.

O diagnóstico do herpes zóster normalmente é feito com base na avaliação clínica dos sinais e sintomas do paciente, e da observação das lesões na pele pelo médico. 

Transmissão

O herpes-zóster é uma doença contagiosa para aquelas pessoas que nunca tiveram catapora ou que não foram vacinadas, já que são doenças causadas pelo mesmo vírus. O recomendável é que crianças ou outras pessoas que nunca tiveram catapora devem ficar distantes de indivíduos com herpes-zoster. Também não devem ter contato com suas roupas, roupas de cama e toalhas.

Pessoas que já tiveram catapora quando estão em contato com uma pessoa com herpes zoster estão protegidas e normalmente não desenvolvem a doença.

Herpes-zóster pode voltar?

Sim! Isso porque pessoas que já tiveram catapora ou a própria herpes-zóster alguma vez na vida, terá a presença do vírus no corpo de forma inativo por muitos anos. Quando a pessoa por algum motivo tenha uma baixa imunidade o vírus pode se replicar novamente provocando herpes-zóster. Fortalecer os sistema imune pode ser uma boa estratégia de prevenção.

Original de Clique Vida

Comentários estão fechados.