Com apenas uma dose das vacinas Pfizer ou AstraZeneca 96% das pessoas desenvolvem anticorpos

0

Um novo estudo no Reino Unido descobriu que mais de 95% dos britânicos vacinados com apenas uma injeção da vacina Pfizer ou AstraZeneca desenvolvem anticorpos contra a Covid-19, um número que sobe para quase 100% após a segunda dose, acrescentando às evidências crescentes reais da implantação mundial de vacinas que mostram que são ferramentas eficazes e úteis para controlar a pandemia.

Principais Fatores

  • Em um estudo com mais de 8.500 pessoas da Inglaterra e do País de Gales, que não tinham anticorpos antes de sua primeira injeção e forneceram um total de 13.232 amostras de anticorpos, 96% desenvolveram anticorpos de 28 a 34 dias após receber sua primeira dose, de acordo com uma pesquisa da Universidade College London (UCL);
  • A pesquisa, que está sendo preparada para revisão por pares, descobriu que esse número subiu para 99% dentro de 7 e 14 dias após a segunda injeção para os recebedores das duas vacinas, evidência de que elas fornecem proteção contra o coronavírus;
  • Enquanto aqueles que receberam a vacina Pfizer-BioNTech desenvolveram anticorpos mais rápido do que aqueles que receberam a injeção AstraZeneca, as taxas foram praticamente idênticas após um período de quatro semanas;
  • Muitos grupos com maior risco de Covid-19, incluindo aqueles com doenças implícitas como diabetes e câncer, aqueles que tomam medicamentos supressores do sistema imunológico e adultos mais velhos, produziram menos anticorpos após uma única dose, um possível problema para países como o Reino Unido, onde a segunda  dose é adiada várias semanas para que mais pessoas sejam vacinadas;
  • No entanto, uma segunda injeção elevou os níveis de anticorpos para os altos níveis padrões, algo que o professor Rob Aldridge, o investigador-chefe do estudo, disse ao Guardian e ressalta a “importância de obter a segunda dose”;
  • Aldridge descreveu as descobertas como “tranquilizadoras, as vacinas são a nossa maneira de sair da pandemia”.
REUTERS/Dado Ruvic
Mulher segura frasco rotulado como de vacina contra Covid-19 em frente a logo da Pfizer em foto de ilustração 30/10/2020 REUTERS/Dado Ruvic

Citação Importante

A Dra. Maddie Shrotri, autora principal do artigo, disse que as descobertas são de alguns dos primeiros “estudos de vacinas do mundo real no Reino Unido”.

Maddie disse que os resultados são “notícias fantásticas”, acrescentando que é “notável” como as vacinas funcionam, dada a velocidade com que foram desenvolvidas.

“É um verdadeiro feito da ciência ao enfrentar a pandemia mais devastadora em um século.”

Números

57 milhões. Este é o número de vacinas distribuídas no Reino Unido, sendo a grande maioria as vacinas da Pfizer-BioNTech ou AstraZeneca. 

Pouco mais de 20 milhões de pessoas receberam sua segunda dose.

Conteúdo traduzido da fonte Forbes por Wesley Carrijo para o Jornal Contábil