Como as empresas podem evitar seus efeitos da inflação?

0

Em termos macroeconômicos, a inflação é um fenômeno monetário, ou seja, está diretamente ligado à moeda e às políticas monetárias de uma nação.

Nesse viés, ela é conceituada como um aumento contínuo e generalizado do nível de preços, que pode ser percebido através dos índices de inflação (IPCA, IGP-M, entre outros).

Em situações contrárias, quando há uma diminuição generalizada de preços, temos uma deflação.

Tais fenômenos impactam diretamente no desempenho e custos das empresas.

Entre os inúmeros responsáveis pelo fenômeno de aumento de preços, existem duas que são mais palpáveis, além de serem costumeiramente diferenciadas pela teoria macroeconômica: a inflação de oferta e a inflação de demanda.

A inflação de oferta deriva de uma elevação significativa de preços de algum insumo bastante relevante para certa economia.

Assim, ocorre um aumento de custos. Tais aumentos são repassados para os preços dos produtos finais, acarretando no processo inflacionário.

Um dos exemplos mais clássicos vivenciado pelos brasileiros é a alta do preço do petróleo que, como consequência, leva ao aumento dos preços da gasolina.

O aumento do preço da gasolina leva ao aumento dos preços no setor de logística, e assim por diante.

A inflação de demanda, por sua vez, é resultante do excesso de procura por produtos e serviços na economia, de modo que passa a ser incapaz de ser atendida pela oferta existente.

Geralmente, esta causa é gerada por um aumento da renda per capita da população, que melhora as condições e estimula o aumento de gastos das famílias.

Segundo a teoria macroeconômica, a inflação por demanda é considerada o tipo mais “clássico” de inflação.

De forma mais simples, podemos interpretá-la como “muito dinheiro à procura de poucos bens”.

Por outro lado, podemos pensar que a inflação não é o aumento dos preços, mas sim, o valor do dinheiro sendo deteriorado com o passar do tempo.

É a perda de poder aquisitivo.

Por isso, devemos sempre ter em mente que a inflação afeta grande parte dos negócios de forma negativa.

A fim de analisar o efeito da inflação nos seus investimentos, o investidor deve levantar questionamentos sobre a capacidade do negócio de manter o fluxo de caixa em termos reais.

Ou seja, para evitar os efeitos destrutivos da inflação, ele deve crescer, no mínimo, ao mesmo ritmo da inflação.

Uma das maiores ameaças da inflação ao valor de um negócio é originada a partir da incapacidade do negócio de repassar completamente os aumentos de custos para seus clientes, sem perder volume de vendas.

Se um negócio não consegue aumentar seus preços a ponto de compensar os efeitos da inflação, ele falhará em manter seus fluxos de caixa em termos reais.

Portanto, um negócio será capaz de compensar os efeitos negativos da inflação se ele for capaz de sustentar quatro pilares:

Designed by @pressfoto / freepik
Designed by @pressfoto / freepik

1 – Excelência na redução de custos

Um negócio que possui uma estrutura baseada em altos custos fixos ou que precisa constantemente reinvestir capital em seus ativos (por exemplo, uma fábrica que precisa reinvestir em suas máquinas) terá dificuldades em diminuir custos para compensar os efeitos negativos da inflação.

Dessa forma, um empreendimento que possui muitos custos não estratégicos, ou seja, custos relacionados a atividades que não geram receitas, terá menos dificuldade neste pilar.

2 – Gerenciamento de dívida adequado

Negócios que possuem dívidas em títulos de renda fixa atrelados à inflação estão sujeitos a reviravoltas constantes que podem aparecer com o ganho de tração em períodos de alta inflacionária.

É de suma importância observar o grau de dependência das dívidas da empresa quanto aos índices inflacionários.

Na estratégia de investimento de valor, as análises se concentram na capacidade das empresas gerarem caixa futuro aos acionistas.

No entanto, além dos indicadores da empresa, é preciso sempre analisar o ambiente de negócios na qual ela está inserida.

Se a companhia em questão está bem posicionada em relação a esses quatro pontos, maiores as chances de conseguir lidar bem com a inflação.

3 – CAPEX em níveis reduzidos

Para negócios com necessidade de alto CAPEX, a inflação aumenta os custos de reposição dos ativos existentes.

Por exemplo, varejistas em crescimento podem sofrer com o aumento dos custos para abrir novas lojas e expandir suas operações.

4 – Poder suficiente para repassar os preços aos consumidores

O aumento dos preço permite que o negócio compense os efeitos da inflação, pois será possível repassar o incremento dos custos para o preço de seu produto ou serviço.

É o que acontece com a maioria das empresas de concessões rodoviárias, por exemplo, que conseguem repassar o aumento dos custos com a inflação através de uma elevação no preço dos pedágios.

Se o negócio tiver a capacidade de manter seu volume de vendas nesta situação – ou seja, possui poder de precificação –, seu fluxo de caixa será mantido em termos reais.

Artigo produzido pela Suno Research.