Com o retorno e a reabertura do comércio, muitas pessoas que estavam em isolamento social começaram a sair nas ruas, e depois da privação ao acesso a lojas físicas, acontece uma tendência a um consumo excessivo; especialista esclarece as principais dúvidas sobre o assunto

Você já ouviu falar de revenge spending? É um termo do inglês  que significa “gastos de vingança”, ou seja, por ficarem muito tempo de quarentena, muitas pessoas tendem a comprar compulsivamente no fim do isolamento social.

Agora com o afrouxamento do comércio de rua e da reabertura dos shoppings, mesmo que em horário reduzido, esse pode ser um problema bastante presente na população.

Isso já vem acontecendo em alguns países que formam filas na porta de lojas de diversos setores. 

De acordo com Ariane Marta, contadora e diretora da Brascont Contabilidade, este cenário é quase que certo e, para isso, é essencial que o comércio esteja preparado.

“Por mais que nesse período de quarentena muitas pessoas realizaram compras online, elas voltarão com sede de passear no shopping, comer em restaurantes, experimentar roupas antes de ir para casa, ou seja, vontade de voltar a uma vida normal.

O problema é que todo esse excesso de vontade pode impactar negativamente nas finanças”, alerta a especialista.

Ainda de acordo com ela, os comerciantes também precisam ficar de olho nessa tendência.

“Receber clientes com vontade de comprar pode até ser uma boa ideia, mas isso não significa que devem deixar de lado o atendimento online ou delivery, adotado durante a pandemia, pois o comportamento do consumidor mudou.

Um erro que deve ser evitado, após a pandemia covid-19 é deixar de utilizar os novos canais de atendimento e vendas.

As estratégias digitais precisam ser mantidas para acompanhar essa mudança que torna o mercado exigente e competitivo para quem empreende”, conta a especialista. 

Abaixo, Ariane lista algumas dicas para ajudar as pessoas a consumirem em um mundo com o seu “novo normal”:

1- Cuidado ao achar que tudo voltou ao normal

Por mais que o governo tenha afrouxado a quarentena é preciso entender que o vírus ainda está contaminando e que pessoas ainda estão morrendo. Isso quer dizer que as coisas não estão como antes e é necessário tomar cuidado com os atos de ir ao shopping para fazer compras, por exemplo. 

“Como a crise ainda não acabou, os problemas econômicos de empresas e pessoas também podem continuar por tempo indeterminado, então temos que tomar cuidado com esse excesso de compras para depois não precisar enfrentar uma dívida desnecessária. Tenha consciência”, salienta.

2 – Invista apenas no necessário

Mesmo que a vontade de sair para aproveitar a vida seja grande, coloque em mente que ainda é tempo de pensar apenas no necessário.

“Aquele restaurante que você tanto ama provavelmente continuará entregando a comida na sua casa, assim como a loja de roupa de seu agrado.

Pense no que você realmente precisa e tome cuidado para não comprar/consumir mais do que o necessário”, aconselha.

3 – Tenha controle sobre seus gastos

Pode até ser chato, mas ao anotar cada compra é possível ter um panorama geral de como pequenos custos podem se tornar uma bola de neve no fim do mês.

“O primeiro passo é anotar tudo o que gasta, seja aquele cafezinho, almoço ou mesmo uma conta maior, como a fatura de um cartão de crédito, por exemplo.

Não é preciso nenhuma planilha, você pode pegar um caderninho e ir anotando diariamente seus custos, entradas e retiradas.

Assim fica mais fácil de evitar o consumo em excesso”, aconselha a contadora

Segundo Ariane, é esperado que em alguns tipos de comércios existam mudanças drásticas.

“Já se ouve falar em mercados que não conseguirão se recuperar, mas acredito que todo negócio pode aproveitar as novas oportunidades, e olhar para o futuro empregando tecnologia, boa gestão, gestão financeira e de pessoas, conseguirá superar esse momento”, finaliza a especialista.

Por Brascont é uma empresa de Contabilidade focada em atender pequenas e médias empresas.