Nunca poderíamos imaginar que o mundo iria parar por causa de uma doença. Claro, que a gente já ouviu falar da gripe espanhola em 1918, que foi uma pandemia do vírus influenza incomumente mortal, onde 500 milhões de pessoas (1/4 da população mundial na época) foi infectada.

Mas, nós fomos surpreendidos com a covid-19, que obrigou as pessoas a ficarem em casa, num verdadeiro isolamento social. Rotinas foram mudadas e o estilo de vida também. Foi uma medida drástica trancarem as pessoas em casa, para poder ser feito o combate contra o vírus.
A quarentena obrigou empresas fecharem temporariamente, paralisando as linhas de produção, bem como bares, restaurantes e vários outros tipos de serviços, dando um verdadeiro choque na produção, e também na oferta.

O mundo está preocupado, todos estamos preocupados com os rumos da economia, tanto lá fora como aqui. E temos a certeza que a dinâmica de trabalho por um tempo não voltará a ser plenamente como antes. Temos que procurar alternativas e às idéias inovadoras para manter o funcionamento saudável dos negócios.

O coronavírus colocou o sistema capitalista à prova. A grande pergunta agora é como iremos desdobrar essa crise e como os microempreendedores individuais irão encontrar caminhos para levar seus negócios adiante.

Tudo indica que os pequenos e microempreendedores terão que manter o foco e ter planejamento e gestão. Mas, primeiro terá que ser avaliado até onde a covid-19 está afetando seus negócios. Será que vai poder continuar vendendo e que cuidados terá de ter.

O momento é ideal para cortar custos, enxugar os custos da empresa e evitar estoques grandes. Negociar com os fornecedores, rever investimentos e buscar a prestação de serviços e vendas à distância. Siga o exemplo da área de comida, que intensificou o Delivery.

Sempre tendo o cuidado de como esse produto vai chegar ao cliente, em dias de pandemia, a higiene é mais importante do que antes.

Bom, você vai ter que ver se seu negócio vai poder fazer entregas. Se for possível, usar de maneira inteligente a divulgação para os seus clientes. E importante os recursos que vai precisar para isso acontecer.

A paralisação que impacto econômico vai ter para o Microempreendedor Individual?

Cada setor terá um impacto diferente, mas sabemos que toda a economia será afetada. Levando em conta que o MEI dispõe de pouco capital, com certeza vai estar mais exposto.

Nesse momento é hora de buscar uma boa orientação profissional, e ficar atento às medidas do governo que estão sendo preparadas para as micro e pequenas empresas. O microempreendedor individual vai poder consultar o Sebrae de forma online.

O MEI deve estar sempre em contato com os seu clientes, nesse momento complicado. Usando as redes sociais, telefonando, passando e-mails e usando o WhatsApp. Não abandonar nunca o seu cliente.

A dinâmica de trabalho

Uma curiosidade podemos notar, o isolamento social intensificou a entrega em domicílio. Muitos negócios só podem vender dessa forma e o que fez o mercado se adaptar a atual realidade. Estar sempre disponível na Internet é uma forma de ajudar seu cliente na decisão de sua compra.

Na hora de vender use o marketing places, aplicativos, redes sociais e até o WhatsApp e telefone.

Facilite para que seu cliente pague pela compra online que fez com você, use ferramentas como: boleto bancário, links, transferências, cartão. Já nas compras mais próximas, existe a possibilidade de receber na hora da entrega.

Para continuar no mercado e ter seu CNPJ ativo nesse momento complicado, é se adaptar bem rápido e ser criativo para continuar com o seu negócio ativo.

Entenda melhor as mudanças, buscando informações para entender o comportamento de compra de seu cliente. Candolando os custos e focando no que vai trazer resultados mais rápidos, como produtos e serviços que mais vendem e usando canais de comunicação que te tragam mais visibilidade.

Busque capacitação e orientação em gestão. As vezes o microempreendedor fica muito ligado nas vendas e na produção e esquece a gestão do negócio. Na sua rotina tem que ter também os cuidados com o fluxo de caixa, contas à pagar, contas à receber, vendas, separar as contas da pessoa física da pessoa jurídica, saber do seu lucro e do seu prejuízo. Olhando sempre os seus gastos fixos e os variáveis. Sempre é bom fazer uma reserva de capital.

Será difícil para o MEI que não tiver cadastro de clientes, terá muita dificuldade para vender durante o isolamento social. Quem não tiver uma reserva, vai precisar buscar crédito no mercado para sobreviver e ter um super esforço quando o isolamento acabar para cumprir com o pagamento.