Pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) divulgada em junho mostrou que pelo menos 67,1% das famílias brasileiras estão endividadas.

Esse dado mostra que 10,8 milhões de pessoas tem algum tipo de dívida, seja com cartão de crédito, com o banco ou alguma loja.

São 1,5 milhão de endividados a mais do que no auge da crise de 2014, em que 9,3 milhões acumulavam dívidas.

Veja abaixo dicas da executiva especializada em soft skills, palestrante e pedagoga, Erika Linhares.

Tenha um objetivo. 

Ter um propósito de algo que se quer é fundamental para ser persistente na economia e desistir do que é supérfluo.

Evite gastar com coisas desnecessárias.

Sem propósito, é difícil ter resiliência para seguir o percurso e concluir a meta.

Faça um orçamento. 

Escreva quais são todos os seus gastos do mês, mesmo os menores. De um lado, liste coisas estruturantes e necessárias para o dia a dia, como aluguel, alimentação, escola e transporte e, de outro, os gastos supérfluos, como restaurante e salão de beleza.

A partir desse orçamento, faça o controle e analise quais gastos pode eliminar ou diminuir.

Estabeleça metas de gastos mesmo para coisas importantes. 

Coloque um teto, por exemplo, de gastos com aluguel. Economize na água e na energia. Tudo pode ser negociado. Liste quais são as coisas necessárias que não tem como serem eliminadas e parta para as renegociações.

Faça pesquisas antes de fazer compras em mercados para encontrar preços mais vantajosos e escreva uma lista do que é necessário comprar antes de ir.

Dessa forma, evita-se compras por impulsividade.

Meta tem que ser familiar: 

Converse com a família e mostre a eles que poupar deve ser um objetivo familiar, em que todos se esforçam um pouco para chegar na meta desejada.

É preciso, portanto, ter disciplina financeira com toda a família. Isso também é muito importante para inserir os filhos em uma cultura financeira para que aprendam desde cedo como poupar.

Pense em novas formas de ter ganhos. 

Não é necessário só economizar para poupar. Não se limite a sua receita atual.

Pense em como ganhar mais tanto no seu trabalho, sendo promovido, por exemplo, como executando algum outro tipo de função e fazendo outras atividades.

Tenha disciplina. 

Não desista fácil. Faça a economia no dia a dia e adapte a vida da família dentro desse caminho até atingir o objetivo desejado.

Com dinheiro poupado, você terá muito mais liberdade para fazer escolhas.

Por: Erika Linhares, Executiva especializada em comportamento e cultura dentro de organizações, chegou a ser sacoleira aos 15 anos quando o pai, dono de uma imobiliária, perdeu tudo na década de 90.