A escala de revezamento é um dos métodos mais recorrentes para se organizar os horários de entrada e saída de trabalhadores, especialmente no comércio.

Também é muito utilizada em serviços que não podem ser interrompidos como manutenção, segurança, limpeza, conservação, entre outros.

Uma escala bem arquitetada e controlada garante não apenas a distribuição justa da jornada de trabalho, como pode ser até um fator motivacional.

Veja nos próximos tópicos como montar a sua e ter ainda mais produtividade na sua empresa.

O que é uma escala de revezamento?

O trabalho em regime de escala pode ser compreendido de duas formas.

Uma é quando a jornada de trabalho alterna com determinada quantidade de horas de folga.

Esse é o método mais usual, por exemplo, entre profissionais de saúde ou de vigilância, que trabalham normalmente 12 horas para folgar as próximas 36.

A outra segue a divisão em função da demanda da empresa.

É o que acontece no comércio, em que o trabalho aos sábados, domingos e feriados é obrigatório.

Para garantir que as equipes de vendas, PDV e estoque estejam cobertas, é instituído o sistema de escala, geralmente alternando uma folga a cada 6 dias trabalhados.

O que deve ser observado ao montá-la?

Seja qual for o sistema, é indispensável que a escala respeite os limites impostos pelas leis trabalhistas no Brasil

Segundo a CLT, todo trabalhador pode trabalhar, no máximo, 8 horas por dia ou 44 horas semanais, podendo estender a jornada diária a, no máximo, 12 horas.

Considerando esse ponto fundamental, veja o que mais sua empresa deve ter em vista ao montar suas escalas.

Critérios e premissas de trabalho

Por que a empresa precisa de uma escala?

Sendo comércio, como você já viu, é certo haver trabalho em fins de semana e feriados.

Se for uma empresa que presta serviços de manutenção, o foco deve ser em garantir apoio e suporte 24 horas por dia.

Em períodos excepcionais, como a recente quarentena imposta pelo governo em função da pandemia de Covid-19, a escala deverá, ainda, obedecer os limites legais.

Nesse caso, não deixe de conferir o que está disposto na MP 927 sobre folgas e compensações.

Regras básicas da legislação

Não se pode deixar de observar as já destacadas limitações em termos de horas trabalhadas.

Nesse sentido, é preciso também garantir que os trabalhadores recebam a justa compensação pelo Descanso Semanal Remunerado (DSR).

Ele corresponde ao valor de um dia trabalhado e deve ser pago mensalmente, tomando como referência o total de dias em casa do mês anterior.

Tipo de escala

Existem muitas formas de se organizar uma escala de trabalho. 

Tudo vai depender da quantidade de pessoas em suas equipes e da própria demanda por mão de obra.

Em períodos mais apertados, o 6×1 no comércio é a escala mais usual.

Mas quando o movimento ficar mais leve, nada o impede de utilizar uma escala 5×2 e, assim, dar um dia de descanso a mais para seus colaboradores.

Método de controle

A divisão do trabalho em escalas pode ser monitorada com a ajuda de planilhas.

No entanto, quando se trabalha com equipes muito grandes ou com funções variadas, um software de gestão pode funcionar melhor.

O mais importante é que a escala de revezamento seja implementada conforme as circunstâncias e demanda por mão de obra do momento.

Ou seja, nada o impede de mudá-la quando as rotinas permitirem.

Afinal, a gestão das folgas feita de forma estratégica pode ajudar a conquistar a empatia dos seus colaboradores e motivá-los ainda mais para o trabalho.

Pense nisso!

Dica Extra: Você gostaria de trabalhar com Departamento Pessoal?

Já percebeu as oportunidades que essa área proporciona?

Conheça o programa completo que ensina todas as etapas do DP, desde entender os Conceitos, Regras, Normas e Leis que regem a área, até as rotinas e procedimentos como Admissão, Demissão, eSocial, FGTS, Férias, 13o Salário e tudo mais que você precisa dominar para atuar na área.

Se você pretende trabalhar com Departamento Pessoal, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um profissional qualificado.

Fonte: WeCont