Com a publicação das novas regras de abertura de Concursos Públicos (Decreto nº 9.739/ 2019) e o anúncio do Ministro da Economia Paulo Guedes, o mundo dos concursistas ficou em polvoroso quanto a possibilidades de novos concursos, mas… e o sonho de ocupar um cargo público e ter estabilidade financeira e profissional, como fica?

Sabe-se que existe uma crescente escalada visando desinchar a folha de pagamento dos servidores públicos do Estado brasileiro; o que de fato é bom. E a boa notícia que é trazida nesse artigo é que, a despeito do que muita gente pensa, OS CONCURSOS PÚBLICOS NÃO IRÃO ACABAR! (Pelo menos por ora). Não há motivo para desespero. Os concursos públicos vão existir e não cessarão em um passe de mágicas. Tanto é verdade que PF e a PRF solicitaram novos concursos para 2020, o que sinaliza, claramente, que não existe essa de não ter mais concursos?

MAS QUAL É A NOVA DIRETRIZ DO SERVIÇO PÚBLICO?

O corte de concursos públicos não depende, de acordo com eles, de uma decisão dos chefes de governo pautados em ideologias econômicas e políticas. Tudo depende do cenário econômico e das necessidades de suprir a demanda do serviço público em cada área. Sempre haverá uma demanda a ser suprida pelo Estado, por mais que este Estado seja um modelo de Estado mínimo.

Há de se considerar que o Brasil é um país que caminha para senioridade e a crescente saída de agentes públicos por questões de morte e aposentadoria geram vacâncias no serviço público. Muitas dessas vagas podem ser substituídas por profissionais terceirizados, ou as informatizações dos sistemas, gerarão a desburocratização, o que leva à extinção de muitas funções.

O que deve ser observado é que, em ambos os casos acima descritos, “desaparece uma demanda e nasce outra”. O mercado e o serviço público precisam de profissionais cada vez mais especializados no assunto e que incorporem essa tendência em alinhar-se com diretriz do momento: EFICIÊNCIA.

E QUAIS CARGOS TERÃO MAIOR PROCURA?

Com a diminuição dos concursos para cargos em geral, os cargos de maior complexidade (Juiz, Promotor, Delegado, Policiais, Médicos, Procuradores …) haverá uma maior procura, e, será de fundamental importância a figura da assessoria jurídica, para que o concursista possa realizar o certame sem ter os seus direitos violados pois perder uma chance por conta de violações editalícias pode custar ao concursista meses ou anos, até que surja a nova oportunidade de prestar o concurso, e, ascender ao tão sonhado cargo público.

PARA FECHAR…

Portanto, os concursistas podem continuar com o sonho de ascender aos quadros do funcionalismo público, só que agora dedicando-se mais, buscando novos saberes para se tornarem verdadeiros diferenciais servindo a toda sociedade com excelência, eficácia e eficiência.

Conteúdo original Brasil e Silveira Advogados

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.