Confira o Passo a Passo para abrir uma pequena empresa

0

O sonho de abrir uma empresa bem-sucedida faz parte da vida de muitos brasileiros que desenvolvem habilidades para empreender.

No entanto, para torná-lo realidade, algumas etapas devem ser observadas pelos futuros empresários, como a elaboração e o encaminhamento de documentos e o pagamento de impostos e taxas.

Neste artigo, vamos apresentar dicas de como abrir uma pequena empresa, mostrando a importância de estar atento aos principais pontos para que tudo esteja de acordo com a legislação.

Ficou interessado?

Se sim, continue a leitura e saiba todos os detalhes!

Por que é importante abrir a empresa de acordo com a legislação?

Estar atento aos requisitos legais para a abertura de uma empresa é primordial para que tudo esteja de acordo com as normas vigentes.

Tal fator é chave para alcançar o sucesso, desde que o empreendedor também aplique estratégias básicas ao iniciar as atividades, incluindo o estudo de mercado e o marketing.

Uma empresa que não tem registro no Cartório de Pessoas Jurídicas ou na Junta Comercial não existe oficialmente.

Ela permanece irregular e corre o risco de sofrer consequências jurídicas, já que a fiscalização pode ser acionada e impedir o funcionamento do negócio.

Por outro lado, estando em dia com as obrigações legais, o negócio pode obter até mesmo benefícios fiscais.

Qual o passo a passo para abrir uma pequena empresa?

Abrir uma empresa leva tempo, logo, requer paciência.

A viabilização dos negócios depende da autorização de órgãos públicos, que têm seus procedimentos internos específicos.

Lembre-se de que todas as etapas devem ser concluídas para que a organização seja considerada regular.

Ciente disso, veja, a seguir, o passo a passo de como abrir uma pequena empresa e realize já o seu sonho!

1. Elaborar um contrato social

Antes de registrar a sua empresa verifique no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) se há outra com a mesma denominação ou nome fantasia.

Caso já tenha uma inscrição com parâmetros idênticos, escolha outra opção.

Mas saiba que o registro da marca não é obrigatório, embora seja interessante no caso de a empresa crescer.

Para iniciar a abertura da empresa, é necessário elaborar um contrato social que defina as atividades da empresa, o modo de funcionamento, o regime tributário, a participação dos sócios, a formação do capital social, entre outros quesitos.

Vale destacar a necessidade de averiguar se o nome e o objeto social estão disponíveis para o documento que será reconhecido em cartório.

A razão social vai indicar qual é o tipo empresarial, que pode ser Microempreendedor Individual, Empresa Limitada ou Sociedade Anônima.

O objeto vai determinar os serviços ou produtos a serem realizados e comercializados, já o ramo de atuação define o segmento de mercado da companhia.

Portanto, o contrato social serve para fundar a empresa, logo, deve ser elaborado com cautela.

O próximo passo é procurar a Junta Comercial ou o Cartório responsável pelo arquivamento do ato constitutivo e apresentar os documentos obrigatórios.

São eles: o requerimento padrão, o contrato social ou Estatuto, as cópias autenticadas do Registro Geral (RG) e o Cadastro de Pessoa Física (CPF) de todos os sócios, a ficha de cadastro nacional (FCN) e o comprovante de pagamento das taxas.

2. Entender sobre as licenças e inscrições nos órgãos públicos

Os órgãos públicos fornecem autorizações para que o empresário inicie suas atividades.

Os documentos variam de acordo com o ramo de atividade, o porte da empresa e o local de instalação.

Existem atividades que são autorizadas pelas Forças Armadas.

Outras, necessitam de licença ambiental do Município, Estado e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.

As empresas do setor de alimentação, cosméticos e medicamentos devem obter a licença sanitária de órgãos Federais, Estaduais e Municipais.

Já o Corpo de Bombeiros fornece a vistoria de cumprimento das Normas de Segurança do Trabalho.

Em alguns casos, há ainda a exigência de inscrição e licença em órgãos federais, como o Ministério do Turismo, por exemplo.

3. Conseguir um alvará de localização e funcionamento

Depois de fazer o Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), o empreendedor deve se dirigir até a Prefeitura de sua cidade para solicitar o alvará de funcionamento.

Ele terá de preencher e apresentar o formulário próprio da Administração Municipal, a consulta prévia do endereço, a cópia do CNPJ, do contrato social e do laudo de vistoria.

O alvará de funcionamento é a última autorização concedida para que as portas do negócio sejam finalmente abertas.

A Prefeitura Municipal aponta as exigências para que as atividades sejam exercidas dentro dos limites legais.

Ao obter o documento, sua empresa poderá emitir notas fiscais, requerer empréstimos, contratar funcionários e abrir contas bancárias, por exemplo.

4. Contar com o apoio de uma consultoria contábil

Uma consultoria contábil de confiança é primordial para elaborar o orçamento mensal e manter a empresa em dia perante o Fisco.

Ela fará toda a escrituração contábil, organizará o pagamento dos tributos, verificará as possibilidades de aproveitar benefícios fiscais disponíveis e dará dicas de planejamento tributário.

Ainda, os profissionais especializados apontam o melhor dia para a realização de balanços, elaboram cronogramas importantes e fazem auditoria financeira.

5. Saber quem são os profissionais mais adequados

Dependendo do tipo empresarial, o empreendedor terá de contar com a assinatura de um advogado.

O profissional jurídico se responsabiliza pela adequação das cláusulas do contrato e analisa todos os detalhes para o atendimento das leis.

Ele aponta qual será a alternativa mais indicada para a empresa, que poderá ser uma sociedade anônima ou limitada, por exemplo.

Os contadores também são indispensáveis para a regularização das empresas.

Tais profissionais são responsáveis por realizar os processos de registro, abertura de CNPJ, demonstrações contábeis, acompanhamento dos tributos e obrigações acessórias junto à Receita Federal do Brasil.

Além disso, os especialistas em contabilidade evitam que o empreendedor pague impostos e juros desnecessários, bem como a ocorrência de multas e outras sanções por sonegação involuntária de impostos.

Uma empresa de consultoria pode organizar as questões financeiras, o fluxo de caixa e ajudar a fazer investimentos promissores.

Agora você sabe como abrir uma pequena empresa.

Caso você queira dar início aos seus projetos, recomendamos que procure por serviços de contabilidade online e peça informações sobre como deve proceder.

Afinal, para se tornar um empresário, é preciso tirar os planos do papel e colocar as ideias em prática.

O conteúdo foi útil?

Se sim, assine nossa newsletter e receba informações exclusivas sobre contabilidade e negócios diretamente em sua caixa de entrada!

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por: Guilherme Brant

Fonte: WeCont