O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje (1) a prorrogação do Auxílio Emergencial até dezembro, sendo que o valor baixou para R$ 300,00.

O anúncio foi feito por Bolsonaro ao lado do Ministro Paulo Guedes e de lideres do governo no Senado e na Câmara. O auxílio será estendido por mais quatro meses, num valor de R$ 300,00 (metade do valor atual).

A renovação do auxílio foi feita pelo governo por meio de Medida Provisória e precisará ser aprovada pelo Congresso antes de caducar.

“O valor de 600 é muito pra quem paga, no caso do Brasil”, disse Bolsonaro sobre a mudança no valor atual, afirmando que decidiu reduzir o valor “até atendendo à economia”. O valor foi alvo de debate entre a equipe econômica do ministro Paulo Guedes e o restante do governo.

Reforma administrativa

O presidente também aproveitou a oportunidade para dizer que enviará ao Congresso Nacional, na próxima quinta-feira (3), a proposta de reforma administrativa, que pretende restaurar o RH do Estado. Bolsonaro fez qustão de dizer que as novas regras deverá atingir apenas os futuros servidores.

“Tivemos reunião muito produtiva com os líderes e tomamos duas decisões, a primeira é encaminhar na quinta-feira a reforma administrativa, que fique bem claro não atingirá nenhum dos atuais servidores. Ela se aplicará apenas aos futuros servidores concursados”, disse.

Também na quinta-feira o presidente enviará ao Congresso a Medida Provisória que prorroga o Auxílio Emergencial até dezembro, entretanto, o valor não será mais de R$ 600, caindo para R$ 300.

Mas, Tales Faria, colunista da sucursal do Portal UOL em brasília, acredita que o Congresso irá manter a prorrogação do Auxílio Emergencial até dezembro, no valor determinado pelo governo.

Sozinho o centrão não garante a aprovação pelo Congresso do valor anunciado pelo governo. Mesmo porque os partidos de oposição, de centro-esquerda, deverão tentar aumentar o valor.

Edição por Jorge Roberto Wrigt – colunista do Jornal Contábil