Conheça a CSLL e saiba como calcular

0

A Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) foi implantada à carga tributária brasileira mediante a Lei nº 7.689, de 1998, no intuito de custear a Seguridade Social no país, além de se sujeitar às mesmas regras de recolhimento do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ). 

Quem deve contribuir?

Devem recolher a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, os cidadãos brasileiros equiparados às seguintes legislações tributárias: 

  • Simples Nacional: nesta categoria se enquadram as microempresas ou empresas de pequeno porte, as quais poderão optar pela inscrição no “Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte – SIMPLES”. A proposta do Simples é unificar os impostos devidos para o estado, município e federação através do pagamento em uma guia única, o Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS).
  • Lucro Presumido: empresas que têm um faturamento anual menor que R$ 78 milhões e maior que R$ 4 milhões. Neste regime a tributação é simplificada para determinar a base de cálculo do IR;
  • Lucro Real: participam desse tipo de regime tributário empresas como: bancos comerciais, sociedades de créditos, corretoras de títulos, investimentos, financiamentos, entre outros. Além disso, fazem parte desta modalidade empresas com lucros, rendimentos e/ou ganhos de capital provenientes do exterior. Neste regime calcula-se a tributação sobre o lucro líquido do período de apuração;
  • Arbitramento de Lucro: aplicado pela autoridade tributária quando a pessoa jurídica deixa de cumprir as obrigações relativas à determinação do lucro real ou presumido. Trata-se de uma forma de apuração da base de cálculo do IR utilizada pela autoridade tributária ou pelo contribuinte.

Alíquotas da CSLL

  • 9% para pessoas jurídicas em geral;
  • 15% no caso das pessoas jurídicas de seguros privados, de capitalização e das referidas nos incisos I a VII e X do § 1º do art. 1º da Lei Complementar nº 105, de 10 de janeiro de 2001.

Cálculo do CSLL

A base do cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) consiste no resultado do exercício anterior à provisão do Imposto de Renda (IR). 

No que se refere às pessoas jurídicas enquadradas no regime do Lucro Presumido, estas são regidas pelas seguintes normas:

  • 12% da receita bruta nas atividades comerciais, industriais, serviços hospitalares e de transporte;
  • 32% da receita bruta de serviços de administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer natureza, prestação de serviços em geral, exceto serviços hospitalares e transporte;
  • 32% da receita bruta de intermediação de negócios;

Já no que compete às pessoas jurídicas optantes pelo Lucro Real, o cálculo se baseia no lucro contábil prévio ao imposto de renda (LAIR), reformulado pelas adições e exclusões previstas na legislação brasileira. 

  • Será considerado o resultado do período-base encerrado em 31 de dezembro de cada ano;
  • No caso de incorporação, fusão, cisão ou encerramento de atividades, a base de cálculo é o resultado apurado no respectivo balanço.

Quais deduções podem incidir sobre a base do cálculo?

  • Vendas canceladas;
  • Descontos incondicionais concedidos;
  • Impostos não cumulativos destacados do comprador, no caso de substituição tributária do IPI E ICMS (quando o prestador de serviço é apenas o depositário).

Se o empreendimento optar pelo regime de caixa, também será preciso realizar a apuração da respectiva receita, bem como, o IRPJ, PIS e Cofins.

Ajustes do resultado durante o período-base

  • Adição do resultado negativo da avaliação de investimentos pelo valor de Patrimônio Líquido;
  • Adição do valor de reserva de reavaliação, baixada durante o período-base, cuja contrapartida não tenha sido computada no resultado do período-base;
  • Adição do valor das provisões não dedutíveis da determinação do Lucro Real, exceto a provisão para o Imposto de Renda;
  • Exclusão do resultado positivo da avaliação de investimentos pelo valor de Patrimônio Líquido;
  • Exclusão dos lucros e dividendos derivados de participações societárias em pessoas jurídicas domiciliadas no Brasil que tenham sido computados como receita;
  • Exclusão do valor, corrigido monetariamente, das provisões adicionadas na forma do item 3, que tenham sido baixadas no curso de período-base.

Regimes de Competência, Caixa e Apuração da CSLL

Conforme mencionado, o cálculo que dispõe sobre a apuração da CSLL irá depender do regime tributário optado no início de cada período anual, isso porque, após escolher o IRPJ pelo lucro presumido, por exemplo, é importante que a mesma alternativa seja aplicada à apuração do pagamento da CSLL

Diante do exemplo de uma empresa enquadrada no regime do lucro real, é importante considerar que o formato de apuração da CSLL deve, obrigatoriamente, seguir os mesmos princípios do IRPJ.

A Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) se trata de um imposto devido por todas as pessoas jurídicas equivalentes às mencionadas, desde que as empresas estejam situadas no Brasil, considerando também, o lucro obtido durante determinado período. 

Cálculo da CSLL pelo lucro presumido

  • Os ganhos de capital, as demais receitas e os resultados positivos decorrentes de outras receitas;
  • Os rendimentos e ganhos líquidos de aplicações financeiras de renda fixa e renda variável.
  • O resultado do cálculo do preço de transferência, decorrentes de operações externas de exportação ou mútuo com empresas domiciliadas em países com tributação mais favorável. Neste caso, será somada 12% da diferença da receita de exportações e o valor total da receita com mútuo calculado pelas regras do IRPJ.

No caso específico da pessoa jurídica que não é obrigada a realizar a escrituração contábil, a base de cálculo da CSLL será de 10% sobre a receita bruta apurada entre o período de 1º de janeiro a 31 de dezembro de cada ano. 

Isso porque, as normas do Imposto de Renda correspondente à administração, ao lançamento, à consulta, à cobrança, às penalidades, garantias, bem como, ao processo administrativo também se aplicam à contribuição social.

Conforme mencionado anteriormente, determinadas alíquotas recolhem cerca de 15% sobre o lucro obtido, de acordo com o art.1º, incisos I a VII e X do § 1o da Lei Complementar 105/2001, observe:

  • Administradoras de cartão de crédito;
  • Associações de poupança e empréstimo;
  • Bancos de qualquer espécie;
  • Corretoras de câmbios e de valores imobiliários;
  • Cooperativas de crédito;
  • Sociedades de crédito e de financiamento;
  • Sociedades de arrendamento mercantil.

Finalidade da CSLL

Considerando que a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) se trata de um tributo implantado no intuito de financiar a Seguridade Social, o objetivo desta contribuição é auxiliar os cidadãos em aspectos como a aposentadoria, auxílio-doença, além da manutenção da renda mínima em caso de desemprego, ou seja, o benefício do seguro-desemprego. 

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Laura Alvarenga