Você conhece os diferenciais das contribuições previdenciárias para pessoas jurídicas? Por que você deve ficar atento a essas questões? O contador é o profissional responsável por acompanhar as mudanças na legislação e orientar o cliente sobre o pagamento correto de impostos, inclusive, os relacionados ao INSS.

O profissional contábil precisa conhecer detalhadamente a legislação vigente para não errar nos cálculos previdenciários e, assim, evitar multas para os seus clientes ou pagamentos incorretos. Quer entender melhor sobre o assunto? Acompanhe!

O que são e para que servem as contribuições previdenciárias?

Elas fazem parte das contribuições sociais que devem ser pagas pelo empregador à seguridade social com o intuito de manter os benefícios previdenciários. Sendo assim, além de ser efetuado um desconto na folha de pagamento do colaborador referente ao INSS — Instituto Nacional de Seguro Social — a organização também precisa pagar uma parte ao Governo Federal.

A contribuição previdenciária é obrigatória e, muitas vezes, pode incidir sobre a receita da companhia. Isso ocorre, por exemplo, para o produtor rural de pessoa jurídica, agroindústria e as organizações que se enquadram no Reintegra — Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras. De acordo com a Lei nº 12.546, de dezembro de 2011, fazem parte desse quadro as instituições que fazem exportação de bens manufaturados.

Para compreender exatamente qual é o modelo de contribuição devida pelo seu cliente, é fundamental acompanhar essa legislação e as demais alterações que podem ocorrer anualmente.

Sendo assim, essa contribuição obrigatória serve para manter os gastos públicos com a concessão de benefícios como:

  • aposentadoria;
  • auxílio-doença;
  • salário-maternidade;
  • seguro-desemprego.

Quais são as responsabilidades sobre as contribuições previdenciárias para pessoas jurídicas?

As companhias devem fazer o recolhimento das contribuições ao INSS seguindo alguns critérios estabelecidos em lei:

  • pagamento de contribuições previdenciárias sobre a remuneração do trabalhador, seja ele funcionário direto ou avulso;
  • desconto no salário do colaborador referente ao limite de contribuição ao INSS de acordo com a faixa salarial;
  • arrecadação com desconto no salário em função do recolhimento ao SEST e SENAT — Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte — para transportadores autônomos;
  • recolhimento de contribuição para o produtor rural pessoa física sobre o valor de comercialização do produto;
  • retenção de 11% sobre o valor da nota fiscal para os serviços de mão de obra ou empreitada;
  • contribuição sobre a receita bruta em casos de patrocínio, publicidade e propaganda e espetáculos desportivos para associações que mantêm equipes profissionais de futebol.

Como efetivar a contribuição?

O empregador precisa seguir alguns passos básicos para conseguir efetivar a contribuição previdenciária. Caso ele tenha dúvidas, cabe ao contador orientá-lo sobre os devidos procedimentos:

  1. retirar o cartão CNPJ — Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica. Ele identifica as atividades realizadas pela companhia e faz a sua devida classificação no código FPAS (Fundo de Previdência e Assistência Social), que classifica a contribuição de acordo com a atividade relacionada;
  2. receber o código FPAS para compreender a alíquota de contribuição;
  3. identificar se a companhia deve fazer sua contribuição pelo Simples Nacional ou em outro regime tributário;
  4. identificar a principal atividade da companhia e seus respectivos riscos ao trabalhador, pois de acordo com o grau de periculosidade poderá incidir uma alíquota RAT — Riscos Ambientais do Trabalho. Ela pode ser calculada entre 1% e 3% dependendo do grau de risco.

Quais são as obrigações da empresa?

A empresa é obrigada a pagar as contribuições previdenciárias referentes aos seus colaboradores. Contudo, pode haver uma diferenciação em relação às taxas devidas. Em geral, é necessário contribuir com 20% sobre o valor total dos salários pagos ao mês, incluindo os funcionários contratados pela CLT e os prestadores de serviços eventuais.

Veja um exemplo simples: se a Folha de pagamento da empresa é de R$ 40.000,00, com a aplicação de alíquota de 20% sobre o total dos salários o valor mensal devido é de R$ 8.000,00.

Quando a atividade do colaborador apresenta riscos, a companhia ainda deve acrescentar uma porcentagem a mais sobre o valor total. Nesse caso, deve ser considerado 1% para risco leve, 2% para o risco médio e 3% para o risco grave. O governo contabiliza esses valores para arcar com os custos extras oriundos de um trabalhador que pode encerrar as atividades mais cedo.

Vale lembrar que a empresa é responsável por fazer o enquadramento de suas atividades de risco de acordo com o anexo V do Decreto 3.048, de 1999. Também deve incidir a contribuição de 20% sobre o valor pago aos trabalhadores individuais prestadores de serviços.

Diferenciais nas contribuições previdenciárias

Algumas companhias enquadradas no Lucro Real ou Lucro Presumido podem pagar a contribuição previdenciária com base na receita bruta. Segundo o artigo 7º da Lei 12.546 de 2011, incisos III, V e VI, as empresas de construção de obras de infraestrutura, transporte rodoviário e ferroviário coletivo de passageiros poderão arcar com 2% sobre a receita bruta referente às suas atividades principais.

As companhias de call center, por sua vez, devem contribuir com a alíquota de 3% sobre a receita bruta. Já outras companhias, como do setor hoteleiro e tecnologia devem pagar a contribuição sobre 4,5% da receita bruta.

O contador deve sempre ficar atento às mudanças na legislação para identificar as diferenças nas contribuições previdenciárias. Além disso, o profissional precisa conhecer a atividade principal exercida pela companhia para orientar corretamente o seu cliente sobre o pagamento correto.

Apenas algumas atividades econômicas são autorizadas a fazer a desoneração da folha, ou seja, o recolhimento mediante a Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB), que incide uma porcentagem sobre o faturamento da companhia. Logo, as que não se enquadram nessa situação devem continuar com a Contribuição Patronal Previdenciária (CPP), que exige uma incidência mensal de 20% sobre a remuneração devida a todos os colaboradores.

Diante do exposto neste artigo, é possível perceber que há diferenças nas contribuições previdenciárias devidas de acordo com o tipo de regime tributário adotado e as atividades exercidas pelas companhias. Por isso, o ideal é que você, contador, fique sempre atento às mudanças na legislação para saber orientar corretamente os seus clientes.

Via Fortes Tecnologia

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.