A KPMG acaba de lançar a “18ª Sinopse Contábil Tributária”. Trata-se de um guia que traz os principais aspectos na utilização das regras contábeis e o caminho que as empresas terão que seguir para adotar as diretrizes que entraram em vigor este ano. A mais nova edição do documento apresenta de forma completa as alterações limitadas as normas que entraram em vigor em 2018 e 2019 e 2020 e faz uma pequena introdução à norma que entrará em vigor em 2022, o IFRS 17.

“Depois de alguns debates ao longo dos últimos anos, as normas de receita de contrato com o cliente e instrumentos financeiros entraram em vigor. Além disso, com o início da implementação da IFRS 16, o cenário contábil sofrerá algumas modificações. Até 2022 entraremos em uma grande transição nas normas contábeis.”, explica o sócio da área de Impostos no Brasil e na América Latina da KPMG no Brasil, Cecílio Schiguematu.


Um dos assuntos apresentados pela 18ª Sinopse Contábil Tributária, da KPMG, diz respeito às novas normas contábeis que começaram a ser aplicadas no mundo este ano. A principal delas, a IFRS 16, será adotada por todas as empresas que fazem o arrendamento de grandes ativos. Isso vai gerar um aumento nos ativos e nos passivos reportados, afetando vários ramos de atividade, como as companhias áreas e varejistas que arrendam aeronaves e lojas, respectivamente. O documento traz ainda outra norma que começou a ser aplicada este ano. A IFRIC 23, nomeada como Incertezas sobre Tratamentos de Impostos sobre o Lucro, procura esclarecer a contabilização de posições fiscais que ainda não foram aceitas pelas autoridades fiscais.

“Quando falamos de IFRIC 23, não incluímos apenas os tributos tradicionais, como o Imposto de Renda e a Contribuição Social. Essa norma abrange outras taxas que não se enquadram em outros regimentos. Para trabalhar exclusivamente com IR e CS temos a IAS12/CPC32”, afirma o sócio do Departamento de Práticas Profissionais e de Mercado de Capitais da KPMG no Brasil, Tiago Bernert.

O estudo também chama a atenção para o cenário descrito nas normas internacionais de contabilidade, especificamente a IAS 29. Com a situação de hiperinflação apresentada na Argentina, as entidades regionais já prepararam demonstrações financeiras de acordo com as IFRS, mesmo com a economia hiperinflacionada desde relatório trimestral de setembro de 2018. Assim como devem refletir esses efeitos nas demonstrações financeiras dos próximos períodos.

O conteúdo completo, com informações sobre as normas internacionais emitidas pelo International Accounting Standards Board (IASB) e as normas americanas emitidas pela Financial Acoounting Standards Board (FASB), está disponível na integra no link – http://home.kpmg/br/pt/home/insights/2019/01/sinopse-contabil-tributaria-2018.html

Fonte: KPMG