O contador Tércio Brandino, preso por falsidade documental na segunda-feira, durante a Operação Caduceu – desdobramento da Operação Lama-Asfáltica – deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), será investigado pela Polícia Civil. A suspeita é de que tenha manipulado notas fiscais falsas em nome de uma empresa prestadora de serviços, a fim de lavar dinheiro de propina e desvio de recursos públicos. O esquema envolvia também outras empresas para as quais os serviços haviam sido supostamente prestados. Estas, no caso, podem ter sido usadas sem consentimento.

O caso está a cargo do delegado Maercio Alves Barbosa, da Delegacia Especializada de Defraudações e Crimes Fazendários (Dedfaz). Durante as investigações da Lama-Asfáltica, o Gaeco descobriu que Brandino supostamente estaria por traz da simulação das notas que envolviam registro de serviços e vendas de diversos produtos que iam desde produtos de limpeza, produtos químicos e estruturas metálicas. Ele teria acesso ao certificado digital de uma empresa onde trabalhava como contador. Deste modo, pagava até mesmo o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), a fim de legitimar os recursos ilegais e driblar o fisco.

Curso de Contabilidade Geral

As empresas que supostamente teriam contratados os serviços, conforme apurado preliminarmente, nunca haviam sequer feito contato com a prestadora. Por este motivo, o delegado Maercio deve fazer uma devassa junto à Secretaria de Estado de Fazenda para descobrir a situação legal das pessoas jurídicas investigadas, se existiam, de fato, e se os valores declarados condizem com a estrutura. “É um trabalho muito extenso e complexo para ser feito. Vamos analisar os documentos enviados pelo Ministério Público e abrir inquérito. Esta investigação é um caso à parte daquilo o que foi descoberto pelo Gaeco durante a Lama-Asfáltica e a Caduceu”, disse Maercio.

O dinheiro sujo, muito provavelmente, pode estar ligado ao desvio R$ 200 milhões em contratos fraudulentos de obras em Mato Grosso do Sul, esquema que já culminou na prisão de 15 pessoas em aproximadamente um ano e meio, no âmbito da Lama Asfáltica. Durante a Caduceu, o Gaeco cumpriu mandado de busca e apreensão em escritório de contabilidade no cruzamento da Rua Vitório Zeolla, com a Rua Abricó do Pará, no Carandá Bosque. O escritório prestava serviços para a Proteco Construções, propriedade do empreiteiro João Amorim, citado pelo Gaeco como líder dos desvios. Outras pessoas são investigadas. Via Correio do Oeste

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.