Correios deve ser totalmente privatizado. Entenda os impactos da medida

0

Conforme declaração do secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord, ao Globo, 100% do capital dos correios deve ser vendido ao único comprador. 

A medida será através de um leilão, cuja previsão está marcada para março de 2022. Segundo Diogo Mac, o leilão ocorrerá conforme os moldes tradicionais, através da abertura de envelopes.  A proposta já teve o regime de urgência aprovado na Câmara dos Deputados. 

Ademais, o comprador que adquirir a estatal, terá direito à ativos os quais estão por volta de R$ 14 bilhões, e passivos em cerca de R$ 13 bilhões, segundo último balanço e levantamento do BNDES. Contudo, isto ainda passará por aprovação. A votação deve ocorrer na próxima semana, conforme estipulado pelo presidente da Câmara Arthur Lira. 

Segundo o secretário Diego Mac, a empresa atualmente não possui tecnologia e tem baixa competitividade no mercado. Ainda conforme o secretário, através da medida será possível desenvolver uma infraestrutura para atender as necessidades do serviço, permitindo entregas em todo país. 

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Brasília – Funcionários dos Corrreios entram em greve em todo o país (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Além disso,  o Ministro da comunicação, Eduardo Faria, em entrevista ao Estatão, argumenta a favor da proposta, alegando que o plano de privatização visa “alternativas para o desenvolvimento da economia e trazer mais eficiência no atendimento à população”, diz o ministro. 

Contudo, na contramão da medida, o presidente da Associação dos Profissionais dos Correios em Brasília (ADCAP), Ernatan Benevides, argumenta que a privatização irá elevar o preço cobrado nos fretes, além de ameaçar o emprego de diversos trabalhadores da companhia. A proposta “ameaça a manutenção e continuidade dos serviços postais prestados pela ECT em todo território nacional”, aponta Benevides.

Por fim, cabe salientar que a proposta também prevê, que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) seria responsável por regular os serviços postais. Em declaração ao Globo, Diogo Mac diz o seguinte: “A gente vai privatizar os Correios combinado com uma concessão. A Constituição diz que cabe à União garantir o serviço postal, e isso pode ser por concessão. Como garantimos? Regulando. É uma eficiência muito maior que a prestação direta”

Conteúdo por Lucas Machado