“Surtos de doenças misteriosas são mais comuns do que pensamos – muitas vezes um culpado é descoberto, como no caso atual, mas o estresse psicológico e a ansiedade às vezes são as piores causas”, comenta dr. Marcel Vella Nunes, psiquiatra do Hospital Santa Mônica.

Desde a Idade Média até hoje, temos registro das epidemias de histeria. Ocasionalmente, a doença persiste por dias; mas geralmente, quando a multidão aflita se dispersa, os sintomas tendem a desaparecer, provavelmente porque só são contagiosas quando novas vítimas ficam observando outras adoecendo. Rumores sobre a causa desses surtos tendem a surgir nas comunidades, ainda mais na atualidade com a agilidade dos meios de comunicação como o WhatsApp ou as redes sociais e com o surgimento das fake news, notícias falsas sobre o assunto.

Os ingredientes essenciais – grupos sob estresse psicológico e físico, geralmente com fome, cansado ou ambos – se reúnem quase diariamente em todo o mundo. Então, qual é o gatilho final que empurra algumas pessoas ao limite e deixa suas mentes tomarem conta de seus corpos em massa?

Quando enfrentamos incertezas, nossas mentes desejam explicações. Se não temos como explicar os sintomas, nos sentimos descontrolados e nosso medo aumenta. E, se aprendermos que nossas próprias mentes podem ter causado esses sintomas muito reais, tendemos a sentir mais ansiedade sobre o que nossas mentes podem fazer a seguir.

Os especialistas em psicossomática apresentaram explicações fisiológicas adicionais para alguns dos sintomas de surtos de histeria em massa. Quando as pessoas ficam excitadas e assustadas, elas podem hiperventilar ou começar a respirar muito rapidamente; exalando muito dióxido de carbono. Os baixos níveis de dióxido de carbono no corpo causam espasmos nos músculos das extremidades, o que pode explicar a dormência, formigamento e contração muscular que algumas vítimas experimentam. Se a depleção de dióxido de carbono for tratada simplesmente respirando em um saco de papel, os sintomas desaparecem rapidamente.

emprego corona vírus
A histeria coletiva pode atacar em qualquer lugar, a qualquer hora

Em um estado elevado de ansiedade, as vítimas geralmente percebem e interpretam mal as sensações físicas normais. Um estômago borbulhante pode ser confundido com um sinal de intoxicação alimentar. E se outras pessoas ao seu redor agarram seus estômagos e caem no chão, seu nível de medo pode aumentar, seus joelhos podem ceder e você também pode cair no chão. A força e o poder da dinâmica de grupo tendem a assumir o controle, e as pessoas são absorvidas pelos sintomas da multidão.

A hierarquia social do grupo também pode ocorrer na disseminação dos sintomas.

O QUE É HISTERIA

A histeria é uma psiconeurose na qual a dissociação ou fragmentação da vida mental substitui funcionamento normal.

A histeria pode ser um mecanismo de defesa para evitar emoções dolorosas, transferindo inconscientemente essa angústia para o corpo. Pode haver uma função simbólica para isso, por exemplo, uma vítima de estupro pode desenvolver pernas paralisadas.

Como doença, a histeria tem uma associação de longa data com o feminino. Embora os pacientes do sexo masculino tenham sido, às vezes, identificados e discutidos, isso tem sido visto principalmente como um distúrbio da mulher. Um aspecto fundamental da manifestação da histeria era que ela envolvia o corpo do sofredor, de uma maneira que era mutável e não podia ser atribuída a nenhuma causa tangível.

Sintomas

Alguns dos sintomas clássicos da histeria incluem:

· Sensação de asfixia;
· Tosse;
· Ataques dramáticos;
· Paralisia dos membros;
· Desmaios;
· Perda repentina da incapacidade de falar e ouvir.

Muitos casos que teriam sido rotulados de histeria foram reclassificados por Freud como neuroses de ansiedade.

Atualmente, diferentes manifestações da histeria são reconhecidas em outras condições, como esquizofrenia e ataques de ansiedade.

A psicoterapia geralmente é o tratamento de escolha para o transtorno da personalidade histriônica. Concentra-se em apoiar o paciente e em ajudar a desenvolver as habilidades necessárias para criar relacionamentos significativos com os outros

Sinais e sintomas de histeria

· Dor de cabeça;
· Asfixia;
· O pescoço e as veias jugulares ficam inchadas;
· Palpitação;
· Inconsciência;
· Batimento cardíaco extremamente rápido;
· Movimentos violentos;
· Dentes cerrados.

O que causa histeria em massa?

Em muitos casos, a histeria é desencadeada por um incidente ambiental – como a contaminação do suprimento de água – que faz com que as pessoas literalmente se preocupem com o adoecimento por ficarem doentes, mesmo que sejam perfeitamente saudáveis. Em outros casos, as pessoas que testemunham indivíduos ao seu redor adoecendo involuntariamente fazem com que seus próprios corpos manifestem os mesmos sintomas. E ainda em outros casos, as pressões sociais ou emocionais simplesmente se tornam demais para uma comunidade lidar, levando a uma ansiedade generalizada na forma de problemas neurológicos, como cegueira ou dormência. Todas as três situações são exemplos de distúrbios psicossomáticos, o que significa que o cérebro está deixando o corpo doente – mas os especialistas dizem que não são menos reais ou dolorosos do que qualquer outra doença com raízes fisiológicas.

Tratamento da histeria

O tratamento da histeria em massa varia dependendo da situação, mas pode incluir a separação dos indivíduos envolvidos e, em seguida, abordar os estressores subjacentes de cada pessoa e os sintomas específicos.

A psicoterapia geralmente é o tratamento adequado para o transtorno da personalidade histriônica.

A educação adequada deve ser fornecida e o marido ou esposa, ou pais de um paciente devem ser ensinados a adotar um relacionamento normal.

Exercícios e jogos ao ar livre também são importantes.

Papel dos Órgãos Governamentais e da Mídia no caso da Pandemia do Covid-19

Esclarecer a população sobre o que está acontecendo, a dimensão do problema e as soluções a serem adotadas.

A OMS – Organização Mundial da Saúde, o Ministério da Saúde e as autoridades de saúde têm realizado diariamente coletivas para transmitir informações a imprensa sobre a real situação do país, com notificações de casos novos e os procedimentos adotados, e essa medida está correta, quanto mais esclarecedor e mais informações a comunidade receber ela irá diminuir o grau de ansiedade. Outro fator importante é combater as fake news que surgem a todo instante com notícias falsas sobre o COVID-19, isso cada um pode fazer a sua parte evitando o envio/compartilhamento desenfreado de vídeos e artes sobre o assunto, sem antes checar a fonte da informação para ver a sua veracidade.

Dr. Marcel salienta que “agora não é hora para se desesperar, mas para tomar as devidas medidas orientadas pelo Ministério da Saúde. O momento é de cautela.”

A população também deve adotar:

– Lavar adequadamente as mãos, esfregando com água e sabão, evitando levá-las aos olhos, nariz e boca.
– Utilizar álcool em gel com frequência ao longo do dia;
– Não compartilhar objetos pessoais, como talheres, toalhas, pratos e copos;
– Não beijar, abraçar e dar as mãos;
– Manter distância de pelo menos 1 metro de qualquer pessoa com sintomas respiratórios, como tosse e espirros;
– Evitar aglomerações e frequência a espaços fechados e muito cheios;
– Manter os ambientes bem ventilados.