Covid-19 pode estar relacionado à perda auditiva, zumbido e vertigem

Os pesquisadores esperam que mais estudos estimem o número e a gravidade dos distúrbios auditivos relacionados ao COVID-19 no Reino Unido.

0

Uma nova pesquisa sugere que a perda auditiva e outros problemas auditivos podem estar fortemente associados ao coronavírus.

Os pesquisadores encontraram 56 estudos que identificaram uma associação entre COVID-19 e problemas auditivos e vestibulares.

O sistema vestibular inclui as partes do ouvido interno e do cérebro que processam as informações sensoriais envolvidas no controle do equilíbrio e dos movimentos oculares.

Eles reuniram dados de 24 dos estudos para estimar que a prevalência de perda auditiva foi de 7,6%, o zumbido foi de 14,8% e a vertigem foi de 7,2%.

Seus dados usaram principalmente questionários auto relatados ou registros médicos para obter sintomas relacionados ao COVID-19, em vez de testes auditivos mais confiáveis do ponto de vista científico.

No entanto, a equipe, que acompanhou a avaliação realizada há um ano, descreveu a qualidade dos estudos como razoável.

“Há uma necessidade urgente de um estudo clínico e diagnóstico cuidadosamente conduzido para entender os efeitos a longo prazo do COVID-19 no sistema auditivo”, disse Kevin Munro, professor de audiologia da Universidade de Manchester e do Centro de Pesquisa Biomédica de Manchester (CPB ) líder de saúde auditiva.

“Sabe-se também que vírus como sarampo, caxumba e meningite podem causar surdez, pouco se sabe sobre os efeitos auditivos do vírus SARS-CoV-2. Embora esta revisão forneça mais evidências para uma associação, os estudos que examinamos eram de qualidade variável, então mais trabalho precisa ser feito”.

O professor Munro está liderando um estudo de um ano no Reino Unido para investigar o possível impacto a longo prazo do coronavírus na audição de pessoas que foram previamente tratadas em hospitais para o vírus.

Sua equipe espera estimar com precisão o número e a gravidade dos distúrbios auditivos relacionados ao COVID-19 no Reino Unido e descobrir quais partes do sistema auditivo podem ser afetadas.

O novo estudo, publicado no Jornal Internacional de Audiologia, foi financiado pelo NIHR (Instituto Nacional de Pesquisa em Saúde) Centro de Pesquisa Biomédica de Manchester.

Designed by @sanborr / freepik

Posso pegar COVID-19 através de encomenda?

É hipotéticamente possível, mas as encomendas representam um risco muito pequeno.

Um estudo americano descobriu que o coronavírus pode sobreviver por até 24 horas em papelão (e o papel provavelmente será semelhante).

Portanto, para que a encomenda fosse contaminada, alguém com COVID-19 teria que tocar ou tossir no dia anterior.

As chances de isso acontecer são baixas, mas o senso comum aconselha a lavar as mãos com água e sabão depois de abrir o pacote e novamente depois de descartar a embalagem – especialmente se você ou qualquer outra pessoa em sua casa estiver em um dos grupos de risco.

O mesmo estudo descobriu que o vírus pode sobreviver por até três dias em superfícies duras e brilhantes, como plástico e aço inoxidável, razão pela qual as maçanetas das portas são vetores particularmente bons para o vírus.

Portanto, se você receber qualquer coisa embalada em plástico, como entregas de delivery, certifique-se de lavar as mãos depois de tocá-la e principalmente antes de comer.

Ainda não sabemos por quanto tempo o vírus pode sobreviver nas telas dos smartphones, mas é provável que seja até três dias.

Isso significa que você deve idealmente limpar seu telefone com lenços desinfetantes (a Apple recomenda lenços com álcool isopropílico 70 por cento), pelo menos uma vez por dia.

Conteúdo traduzido da fonte Science Focus por Wesley Carrijo para o Jornal Contábil