CPOM: STF declara inconstitucional a obrigatoriedade desse cadastro

0

Se você é prestador de serviços ou contador, já deve ter ouvido falar sobre o Cadastro de Prestadores de Serviços de Outros Municípios (CPOM).

Esse cadastro foi criado pelo estado de São Paulo em 2006, e está presente em várias cidades do país.

Através dele é possível comprovar o município de atuação das empresas para que seja feito o devido recolhimento do ISS (Imposto Sobre Serviços). 

Por meio do CPOM são cadastradas as pessoas jurídicas prestadoras de serviços que possuem endereço fora da cidade onde o serviço é prestado.

Mas vale ressaltar que existe a dispensa da obrigatoriedade do cadastro para algumas empresas devido à sua natureza jurídica ou atividade, dependendo da legislação de cada município. 

Mas neste mês, o plenário do STF (Superior Tribunal Federal) declarou a inconstitucionalidade da inscrição das empresas através do CPOM.

Desta forma, a decisão coloca fim a obrigatoriedade, assim como a exigência de um cadastro dos prestadores de serviços estabelecidos em outro município. 

A medida é uma resposta ao questionamento sobre a regularidade do CPOM feito pelo Sindicato das Empresas de Processamento de Dados e Serviços de Informática do Estado de São Paulo (SERPROSP). 

Decisão do STF

O STF julgou a obrigação de um cadastro por órgão da Administração municipal, de prestador de serviços não estabelecido no território do Município e imposição ao tomador da retenção do Imposto Sobre Serviços (ISS) é incompatível com a Constituição Federal, assim como a normativa que está prevista quando esta determinação era descumprida.

O julgamento virtual sobre o tema aconteceu em fevereiro e a decisão foi expedida no dia 1º deste mês.

Como se trata de um Recurso Extraordinário com reconhecida repercussão geral, o entendimento do STF deve ser aplicado a todos os cadastros de prestadores de serviço criados por outros municípios com o mesmo fim. 

Desta forma, o STF aguarda que todos os municípios sejam informados, se posicionem sobre a decisão e, assim, informem  às empresas sobre como proceder com o fim da obrigatoriedade.

Sendo assim, as empresas devem estar atentas a essa obrigatoriedade e buscar informações sobre o tema junto à prefeitura de seu município. 

Designed by @lovelyday12 / freepik
Designed by @lovelyday12 / freepik

Entenda do CPOM

Devido à obrigatoriedade, os prestadores de serviço de outros municípios deveriam se inscrever no CPOM, para evitar a prática de registrar a empresa em outro município com alíquota do ISS menor. 

Caso contrário, o prestador era obrigado a fazer a retenção do ISS, podendo resultar na bitributação, que se trata da cobrança de ISS de forma duplicada, tanto no município de origem quanto no de destino. 

Como funciona o ISS?

O ISS possui competência municipal e deve ser recolhido conforme as orientações da Lei complementar 116. 

A alíquota do ISS que é cobrada das empresas que prestam serviços varia entre 2% e 5%. 

Vale ressaltar que a partir deste ano, a arrecadação do ISS que antes era realizada no município em que se encontra a sede da empresa prestadora, passou a ser feita no município onde está o cliente em alguns segmentos, ou seja, o destino do serviço e não a cidade do seu prestador. 

Essa alteração aconteceu por meio da Lei Complementar nº 175 e passou a valer a partir de janeiro.

A arrecadação transferida para o destino vale para os planos de saúde e médico-veterinários; de administração de fundos, consórcios, cartões de crédito e débito, carteiras de clientes e cheques pré-datados; e de arrendamento mercantil. 

No entanto, essa mudança está sendo implantada de forma gradual e a previsão é de que seja finalizada em 2023 para pessoas físicas.

No caso da pessoa jurídica o ISS continua a ser recolhido no local onde fica o serviço contratado. 

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Samara Arruda com informações do Supremo Tribunal Federal (RE 1167509)