Dados inconclusivos no Auxílio Emergencial: Veja como resolver

0

A pandemia do coronavírus pegou todos de surpresa. O mundo inteiro, literalmente, parou devido a este inimigo invisível, que já matou mais de 315 mil pessoas no mundo todo. Devido ao coronavírus, estamos em quarentena. Mas como muitas pessoas não tinham empregos formais, o governo está ajudando essas pessoas com R$ 600 por mês, durante três meses. Porém, muitas pessoas elegíveis ao benefício ainda não conseguiram receber, e um dos maiores problemas são os chamados “dados inconclusivos”. Afinal, o que significa “dados inconclusivos” no Auxílio Emergencial e como resolver isso?

No momento em que eu escrevia está matéria, haviam mais de 4,7 milhões de pessoas infectadas no mundo todo. No Brasil, já são mais de 16 mil mortos, e 241 mil infectados. Dessa forma, as cidades se obrigam a promover o distanciamento social e, infelizmente, as consequências econômicas são grandes. Mas muita gente teve um problema simples que ainda está impedindo de receber o benefício. Mas antes de falar sobre os dados inconclusivos, vamos ver quem pode receber o Auxílio Emergencial do Governo Federal.

Regras do Auxílio Emergencial

auxilio emergencial

Primeiramente, o beneficiário não pode ter um emprego formal, que é o emprego de carteira assinada e que segue as leis da CLT. Quem pode receber o Auxílio Emergencial são os trabalhadores informais, desempregados e Microempreendedores Individuais (MEI). Além disso, são acolhidos pelo Auxílio Emergencial os trabalhadores autônomos que pagam o INSS de forma individual ou facultativa, e trabalhadores intermitentes, que são aqueles que trabalham por hora, por dia ou por mês para mais de um empregador.

No entanto, não basta apenas isso. Além de estar dentre essas categorias de trabalho, é necessário cumprir as regras abaixo.

  • Ser maior de idade (18 anos);
  • Ter uma renda familiar menor ou igual a três salários mínimos (R$ 3.135) OU ter renda mensal por pessoa da família menor ou igual a meio salário mínimo (R$ 522,50);
  • Não pode ter recebido mais do que R$ 28.559,70 em rendimentos tributáveis;
  • Você não pode estar recebendo Seguro-Desemprego;
  • Não ser aposentado ou pensionista do INSS, e nem receber qualquer benefício previdenciário;
  • Não receber nenhum benefício assistencial. O único benefício permitido para os receptores do Auxílio Emergencial é o Bolsa Família;
  • O Auxílio Emergencial pode ser recebido por até duas pessoas da família; ou seja: por núcleo familiar, o auxílio será limitado a R$ 1.200. Entretanto, mulheres que sejam mães e chefes de família poderão receber R$ 1200.

O que significa dados inconclusivos no Auxílio Emergencial?

Muitas pessoas que se candidataram ao Auxílio Emergencial não conseguiram ter acesso ao benefício devido a um problema. Afinal, o que significa ter os dados inconclusivos no Auxílio Emergencial? Primeiramente, não se preocupe, pois o seu benefício não foi negado. Na verdade, você precisa fazer uma revisão de dados, pois provavelmente ocorreu algum erro nas informações quando você fez o seu cadastro pela primeira vez.

E se isso aconteceu com você, saiba que você está longe de ser o único, pois de acordo com a Dataprev, empresa de tecnologia do governo responsável pela análise de dados, foram mais de 13 milhões que precisam se recadastrar para receber o Auxílio Emergencial.

Por que tive os dados inconclusivos no Auxílio Emergencial?

Um dos motivos mais comuns para ter os dados inconclusivos no Auxílio Emergencial é ter se marcado como chefe de família, mas não informar os dados dos outros membros. Dessa forma, o sistema não consegue entender quem são os integrantes da família do beneficiário para poder fazer a análise.

Além disso, alguns beneficiários erraram em informar outros dados, como o sexo de cada um dos integrantes da família (se masculino ou feminino), o CPF e até mesmo a data de nascimento errada. Outro problema muito comum é quando pai e mãe separados inseriam um ou mais filhos em ambos os cadastros, como se a criança morasse com os dois; entretanto, apenas um pode inserir o nome da criança, já que a criança mora em apenas uma casa. Por último, um problema comum foi a inserção de uma pessoa já falecida.

Em resumo, os motivos são:

1- “Você marcou que era chefe da família, mas não informou nenhum membro de sua família”;

2- “Você não possui informação de sexo masculino ou feminino nas bases de dados do governo federal”;

3- “Você informou alguma pessoa da sua família com informação incorreta de CPF e data de nascimento”;

4- “Houve divergência entre os membros da família que você e outra pessoa de sua família informou”;

5- “Você informou alguma pessoa da sua família que possui indicativo de óbito em alguma base do governo federal”.

Como resolver o problema?

Neste caso, a recomendação da Caixa Econômica é que seja feito um novo pedido do Auxílio Emergencial, dessa vez corrigindo e revendo as informações enviadas. A instituição, entretanto, não informa qual foi o caso específico do solicitante que levou à não-conclusão dos dados – por isso a necessidade e revisar tudo o que foi informado.

Se isso ocorreu com você, para resolver o problema, é necessário fazer uma nova solicitação para ser aprovado no Auxílio Emergencial. E a nova solicitação deverá ser feita da mesma maneira que você fez a primeira, mas claro, não errando nenhuma das informações.

Como fazer uma nova inscrição?

  1. Acesse a página ou o aplicativo do Auxílio Emergencial;
  2. Clique em “Realize sua solicitação”;
  3. Ao receber a mensagem: “Atenção: A solicitação do Auxílio é individual. Cada pessoa que se enquadre nas regras deve fazer sua própria solicitação. Reúna sua família. É importante que todos façam a solicitação no mesmo dia e os membros da família sejam os mesmos.”, clique em “Entendi”;
  4. Marque as caixas:
    “Declaro que li e tenho ciência que me enquadro em todas as condições acima.”
    “Autorizo o acesso e uso dos meus dados para validar as informações acima.”;
  5. Após isso, clique em “Atendo as condições, quero continuar”;
  6. Por fim, insira suas informações e confira os dados que devem ser corrigidos;

Não se esqueça de atualizar o app na Google Play Store (Android) ou App Store (iPhone).

Conteúdo original Seu crédito Digital